Portal Escritores

Rastro

Nesse caminho silvestre

Observo teu rastro viperino,

Meu corpo viril se enfraquece,

Minha mente é de um frágil menino.

 

Nesse longo caminho, devaneios,

E os meus olhos, - um vôo aquilino.

Procuro os teus olhos, teu veneno, anseios,

Minha mente é de um frágil menino.

 

Nesse longo caminho esquisito

Tem de tudo: vida, carniça, banquete vulturino,

O verde escasso no seco infinito

E eu perdido como um frágil menino.

 

Nesse caminho não encontro tuas presas,

Só teu rastro, um chio, um silvo repentino.

O vento frio e amargas tristezas,

Com o suicídio prossegue o frágil menino.

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Majal-San
Escrito por:
Majal-San
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 19 de Julho de 2012

Já foi visto 644 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


642
Leram
0
Vão ler

Textos do Mesmo Autor
É

Por Majal-San

Âncora

Por Majal-San

Poeta Sempre

Por Majal-San

Epílogo

Por Majal-San

I won’t translate

Por Majal-San