Portal Escritores

Pobre Conde

A pedra que bateu o meu pé

machucou o meu gesto

 

A flecha que furou minha mão

danificou minha ação

 

O grão que tocou meu palato

tornou-se indigesto

 

A seta que penetrou o meu céu

dirigiu-me ao chão

 

O degrau que machucou meu tendão

fraturou o meu ego

 

A estaca que atravessou o meu peito

preencheu este vão

 

O cisco atrevido dos teus atos

deixa-me cego

 

A luz do sol dos teus olhos

converte-me em carvão.

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Majal-San
Escrito por:
Majal-San
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 20 de Julho de 2012

Atualizado em 20 de Julho de 2012

Já foi visto 643 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


643
Leram
0
Vão ler

Textos do Mesmo Autor
Retorno II

Por Majal-San

Candura

Por Majal-San

Minha Máxima Culpa

Por Majal-San

Caminhando

Por Majal-San

Penso e não falo

Por Majal-San