9º Encontro dos Escritores
Portal Escritores

Amar tem limites


Amar tem limites

       Você seria capaz de amar, incondicionalmente?

       Se sua forma de amar é se doar de forma exclusiva a alguém que sequer avalia teus sentimentos, é bom parar, refletir, e tentar aprender com quem criou e com quem entregou a vida por amor. Ele vai te ensinar que quem ama é ciumento e exigente: (“... Não se proste diante de outro deus, porque Javé é ciumento: ele é um Deus ciumento. ...”, Ex 34:14 ...) e não abre mão da fidelidade; reclamações então... nem murmúrios! (Nm 21:4-6); exige glória, mesmo quando parece estar dando migalhas. É como se o ar e os poucos grãos, já fossem o bastante. Mesmo amando muito seus filhos, quando estes, em sofrimentos, lhe pedem para aliviar suas dores, Ele não se joga, na pressa do livramento. Foi assim em todo o Êxodo. Quando Paulo, sob espancamentos, lhe pediu por três vezes para que o livrasse do que ele chamou de espinho na carne, quem mais o amava disse: “Para você basta a minha graça” (2 Co 12:9...). Isso mostra que, amar não é isentar o outro de retribuição. Se a quem ama cabe dar amor, a quem é amado cabe mostrar que merece o amor recebido. Se o amor fosse algo incondicional, Deus não teria feito cair o anjo rebelde com sua corja. O apanhar e oferecer a outra face é apenas, para quando for necessário fazer refletir e surpreender o agressor.

       O Filho, quando veio nos visitar, trouxe as regras da justiça e da harmonia para a boa convivência, e com o segundo mandamento, ensinou a amar, mas não deixou de alertar que, primeiro deve ter amor próprio: “ame ao seu próximo como a si mesmo” (Mt 22:37-40); ensinando assim que, quem se ama, não pode amar qualquer coisa, nem de qualquer jeito. Portanto, ame à medida que for amado(a) e doe-se à medida que receber. Com certeza, irá descobrir que apesar de tudo, mesmo entre espinhos, a vida tem favos ainda com mel, para vigorar teu corpo e alma, e te ensinar as várias formas de conjugar o verbo amar.

       Amar não é se dissolver para matar a sede do que chega com o: “ô de casa!” e vai-se deixando rastros indesejáveis.

       A versão original do amor é outra, é condicional e depende do SE: “... Purifiquem-se... Então venham e discutiremos. Ainda que seus pecados sejam vermelhos como púrpuras, ... SEEE vocês estiverem dispostos a obedecer, comerão os frutos da terra; mas, SE vocês recusam e se revoltam, serão devorados pela espada.” (Is 1:16 ...).

      Fora do SE, são adereços e variações acrescidas para favorecer a instintos que só aprenderam manipular.

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
josue firmino
Escrito por:
josue firmino
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 12 de Janeiro de 2013

Atualizado em 16 de Junho de 2020

Já foi visto 745 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Religiosas


745
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
DE KARL MARX A PAULO GUEDES

Por Edson de Carvalho Silva

Senão

Por josue firmino

É possível

Por josue firmino

"Viajantes"

Por josue firmino

Textos do Mesmo Autor
Sede ardente

Por josue firmino

Sangue fraterno?

Por josue firmino

Vivos mortos na África

Por josue firmino

Recantos

Por josue firmino

Conhecer para Temer

Por josue firmino