Plagiarius

ronperlim ronperlim 16 de Agosto de 2013
01 de Setembro de 2013
O próprio título nos revela a sua origem gentílica. Então, nada melhor que recorrer a História e a etimologia dessa palavra na antiga Roma. De acordo com O caderno de políticas culturais, do Ministério da Cultura, o plagiador surgiu neste contexto: 
"Plagiário vem do latim plagiarius. Era quem, na Antiga Roma, roubava escravos ou vendia como escravos indivíduos livres. O vocábulo tem sua origem na Lex Fabia ex plagiariis. A expressão foi trazida para o campo literário através de uma metáfora criada pelo poeta Marcial, que, no século I, comparou o roubo de versos de suas poesias pelo rival Fidentino a uma criança que tivesse caído nas mãos de um seqüestrador.173 Daí a explicação do desvio sofrido pelo vocábulo plagium na evolução etimológica. A expressão passou a significar, figurativamente, essa apropriação fraudulenta. Plagiário, nos dias atuais, designa o salteador de uma criação intelectual".
A citação é clara quando se refere ao surgimento do salteador de obra intelectual. Essa prática, além de ser criminosa; deve ser repudiada. Caso recente aconteceu com o escritor Moacir Scliar. A obra dele (Max e os felinos) foi plagiada pelo canadense Yann Martel que pulicou As aventuras de Pi. Além de praticar crimes contra o brasileiro, desdenhou deste. Assista ao vídeo e veja o que Scliar opina sobre esse episódio, triste e lamentável.
Moacyr Scliar fala de "Max e os Felinos" X "Life of Pi"
A prática plagiarium não está limitada a obras literárias. Ela se efetuou com intensidade na Internet, especificamente na blogosfera. Ao remar por vários blogs, percebo o Ctrl+C e Ctrl+V de forma clara sem o menor pudor. Como se isso não constituísse uma violação das Leis, da moral e da criação intelectual de quem os produziu. Para saber mais, acesse: blogosfera legalizada.
O que tem preocupado professores e especialistas é o fato de os alunos das principais faculdades e universidades brasileiras praticarem o que eles chamam de plágio acadêmico; classificado em integral, parcial e conceitual. Segundo Nery et. all, plágio acadêmico "(…) se configura quando um aluno retira, seja de livros ou da Internet, ideias, conceitos ou frases de outro autor – que as formulou e as publicou -, sem lhe dar o devido crédito, sem citá-lo como fonte de pesquisa".
Plágio acadêmico
Os exemplos citados servem para que o leitor possa situar-se no tempo e no espaço. Para que se compreenda que a prática do plágio é desprezível e deve ser evitada. O assunto é abrangente e há farto material que trata dele. Pesquise, inteire-se e crie seus próprios textos.

Referências

Brasil. Ministério da Cultura. Direito autoral. – Brasília : Ministério da Cultura, 2006. 436 p. – (Coleção cadernos de políticas culturais ; v. 1)

NERY, Guilherme et All. Nem tudo que parece é: entenda o que é plágio. Niterói – RJ. Universidade Federal Fluminense, 2008-2010.BRASIL. 

Lei de Direito Autoral (LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998). Brasília, 1998.

ronperlim.com.br/

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao user original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Denuncie conteúdo abusivo
ronperlim ESCRITO POR ronperlim Escritor
Porto Real do Colégio - AL

Membro desde Março de 2010

Comentários