Portal Escritores

PERFUME

Teu perfume pairou por perto tão real, tão palpável, que eu poderia mesmo desconfiar que é você atrás de mim se eu não estivesse nesse boteco de quinta entorpecida e suja pelo último olhar que devorou as minhas coxas. Quase acreditei que era você com sua camisa polo branca e engomadinha, mas eu estou bêbada e com as unhas descascando e salto quebrado e lábios inchados num estado de espírito tão torpe que nem mesmo tua alma de anjo caído suportaria encarar sem prender a respiração. Eu acreditaria que era - ou é - você se embriaguez e riso frouxo não fossem o efeito da sua ausência. Boca seca, enfado e fastio são a consequência da saudade que tenho de ti. Sou folha seca que tem como companhia bueiros e meios-fio apodrecidos, o vento que me arrasta de esgoto em esgoto a ermo e sem rumo ou parada. Dançando no gemido de uma brisa morta e gelada, um cálido grito da alma que não quer mais viver nem sentir sem tuas mãos ao redor. Apago o cigarro na última taça amarela e sem gelo. E me rastejo qual cobra pelas ruas e vielas negras inerte e esquecida à espera de ser encontrada.

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Letícia Pontes
Escrito por:
Letícia Pontes
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 28 de Novembro de 2013

Já foi visto 523 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


515
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor
MARÉ DE AGOSTO

Por Letícia Pontes

PERSISTIR

Por Letícia Pontes

EU FICO

Por Letícia Pontes

AMAR

Por Letícia Pontes

OBLÍQUO

Por Letícia Pontes