Portal Escritores

Sentido

Há no ar libidinoso

O que não há ali

Ali o maldito

Mas aqui a libido há

Não tão bem falada

Que também criticada

Por cada bendito

Que bem dito é libidinoso

Porque o sentido é mau dito

De repente, tu com teus gestos,

Em cismas, em sina, ensinas

Como valer o ato do tato

Então vai ler o que designa

O que ouves, o que ouço,

O que houve, o que é nosso,

O que há no ócio do ofício...

É fácil, é difícil

E no tato, no ato és apto,

És guloso, mas formoso

És guloso e libidinoso

E tocas, tocas, tocas

No tá, no tato, no ar, no ato...

Aproximando-te sem que eu te peça

Afasto-me da principal peça

E me pergunto quem te disse venha,

Mesmo assim chegaste

E estragaste o jogo perdendo a peça.

Sem a preocupação com o jogo,

Afastamento, peça perdida,

Quente, disse: venha!

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Majal-San
Escrito por:
Majal-San
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 08 de Janeiro de 2014

Já foi visto 445 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


445
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Mulher Por Exelência

Por Emanuel Galvão

Beleza de Mulher

Por Emanuel Galvão

Homem

Por Emanuel Galvão

Molhada de Suor e de Desejo

Por Emanuel Galvão

Erótico

Por Majal-San

Textos do Mesmo Autor
Acalanto

Por Majal-San

Meia década

Por Majal-San

A CAÇA (Lubricidade)

Por Majal-San

Expectante

Por Majal-San