Tema Acessibilidade

O SONHO DA CONVERSÃO (Parte 4)*

A desavença

 

“No aperto e no perigo se conhece o amigo.”

Ditado popular

 

Alguns dias se passaram e a família Ferreira começou a receber cobranças dos débitos dos falecidos. Inclusive Jó, o genro, estava na lista dos cobradores.

- Você é um homem sem coração, Jó! – reclamava Laura, sua esposa. – Num momento como esse você vai à casa de meus pais para cobrar dívidas?!

- E você quer que eu faça o quê? – perguntava Jó, irritado. – É o meu suor, minha filha!

- Mas você poderia ao menos deixar “a poeira baixar” para poder tocar neste assunto. Está tudo muito recente, Jó.

- Eles deviam muito, Laura. Se eu não for agora, depois seus pais não terão mais como me pagar...

E assim procedeu. Seu Joaquim e dona Leonarda, mesmo inconformados com a atitude do genro, concordaram em honrar o compromisso assumido pelos filhos. Só queriam que Jó, por ser da família, esperasse eles pagarem logo as dívidas mais antigas e as pessoas de fora.

- Assim não! Vocês vão me desculpar, mas desse jeito não dá para mim.

- Nós vamos pagar todo o seu dinheiro, Jó! Só gostaríamos que tivesse um pouco de paciência porque existem dívidas mais velhas. – tentou explicar seu Joaquim.

- A questão é que estou precisando do dinheiro para tocar os meus negócios – alegou Jó. – A não ser que vocês queiram assumir o empréstimo...

- Como assim? - perguntou dona Leonarda, sem acreditar que estava passando por tudo aquilo.

- Se me pagarem em até 30 dias, recebo o mesmo valor que emprestei. Mas passando disso, têm que me pagar 10% de juros ao mês.

- Assim não dá. – respondeu seu Joaquim. – Não temos como honrar um compromisso desse jeito.

- Então quer dizer que eu vou sair no prejuízo? – questionou Jó.

- Não é isso que estamos dizendo, meu filho. – interrompeu dona Leonarda. – Só estamos querendo que você compreenda a nossa situação...

- E a minha ninguém compreende?...

- Deixe para lá, Leonarda! – interrompeu seu Joaquim já irritado. – Pelo que estou vendo é mais fácil negociarmos com os de fora do que com aqueles de se dizem da família. Até o final do mês pagaremos o dinheiro desse enforcado.

Jó ficou muito irritado com o adjetivo que fora-lhe atribuído pelo sogro. Levantou-se, deu um soco na mesa e apontando o dedo indicador para seu Joaquim, esbravejou:

- Já que o enforcado aqui sou eu, então paguem o que me devem imediatamente - até porque não estou querendo o que é de vocês; apenas desejo receber o que custou o meu suor!...

Em poucos dias, Jó recebeu por um portador enviado pela família Ferreira o dinheiro que tinha emprestado. A partir de então, seu Joaquim e dona Leonarda não tiveram mais contato com ele e daí nasceu uma intriga “de sangue a fogo”.

 

 

As cobranças

 

“O mundo ‘é’ dos mais espertos.”

Ditado popular

 

Muitos outros como Jó procederam. Ninguém aparecia para se declarar devedor, mas quase diariamente surgia alguém querendo saber como ficaria a dívida que João Pedro e Manoel tinham para com ele.

- Será mesmo que eles deviam tanto assim? – perguntava seu Joaquim, muito queixoso, a dona Leonarda.

- “Onde tem fumaça tem fogo”, Joaquim. O que não podemos mesmo é deixar os meninos penarem por causa dessas dívidas. Prefiro ficar sem nada a deixar meus filhos sofrendo por causa disso. – garantia dona Leonarda, bastante chorosa.

Para honrar os supostos compromissos dos filhos, seu Joaquim e dona Leonarda tiveram que vender muitos bens: primeiro se desfizeram do rebanho bovino; não sendo suficiente, venderam também o rebanho de ovinos. Ainda restando algumas dívidas, tiveram que se desfazer de uma parte do terreno.

Vendo-os aperreados, os interessados na compra dos bens não ofereciam o devido valor, o que dificultava mais ainda a situação. Mas não tinham alternativa: não podiam deixar os filhos sofrerem por conta das dívidas nem os cobradores estavam dispostos a esperar.

 

 

As viúvas

 

“Quem planta vento colhe tempestade”

Ditado popular

 

Com a morte dos esposos, Cecília que era recém-casada foi embora para a casa de seus pais que moravam a mais de 60 quilômetros. Lá, três anos mais tarde casou-se com Sebastião, filho de Severino Oliveira, antigo vizinho de quem o esposo e o cunhado tinham comprado os bens numa época de seca.

Quando soube do casamento entre Cecília e Sebastião, Angélica, que após a morte do esposo mudou-se com sua filha Ivone, de 02 anos, para a residência de seu Joaquim e dona Leonarda, começou a alimentar a suspeita de que a contracunhada estivesse envolvida com o assassinado do João Pedro e Manoel.

Os pais dos rapazes ficaram muito chateados com a possibilidade e começaram a relacionar a desconfiança com o comportamento pregresso de Cecília.

- Ela nos abandonou no momento em que a gente mais precisava de companhia! – reclamava dona Leonarda.

– Na certa já estava de conluio com os bandidos! – asseverava Angélica.

- E o que mais revolta é que tudo se passou debaixo do nosso nariz e a gente não se deu conta a tempo. – lamentava seu Joaquim.

- Mas a verdade prevalece... A justiça divina tarda, mas não falha... – profetizava Angélica.

De início, seu Joaquim ainda cogitou a possibilidade de desmascarar a ex-nora, mas foi convencido pela sapiência de Angélica:

- Vamos entregar nas mãos de Deus. “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Senão aqui; na outra vida... – garantia.

Cecília nunca ficou sabendo das desconfianças. O máximo que suspeitava era que a família Ferreira a desprezava por ter abandonado a viuvez. Já para seu Joaquim e dona Leonarda, não restavam dúvidas: sua mudança de endereço e seu casamento com o filho de Severino Oliveira eram as provas vivas de que tinha culpa no cartório.

___________________

* Capítulos 13 a 15 do romance O SONHO DA CONVERSÃO cuja publicação dar-se-á aqui e no blog http://valcimelo.blogspot.com.br ao longo dos próximos dias.

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
0
1,1 K visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Valci Melo ESCRITO POR Valci Melo Escritor
Senador Rui Palmeira - AL

Membro desde Junho de 2013

Comentários