O SONHO DA CONVERSÃO (Parte 6)*

Valci Melo Valci Melo 20 de Janeiro de 2014

A dúvida

 

"A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original."

Albert Einstein

 

Jó acordou muito assustado e não parava de pensar um segundo sequer no que viu e ouviu no sonho. Quanto mais tentava se esquecer do infeliz pesadelo, mais vivo ele ficava em sua memória. "Foi apenas um sonho." – falava para si mesmo na tentativa de se autoconvencer. Mas não adiantava: não conseguia parar de pensar no comportamento das pessoas em seu suposto velório, na conversa que teve com os falecidos, na inexistência do céu e do inferno, na forma como até então tinha conduzido a própria vida. "E se não foi apenas um sonho?" – pensava. "Isso pode ser um sinal... Será mesmo que existe outra vida ou inventamos isso por ser muito doloroso aceitarmos que a morte é realmente o fim? Será que ao morrermos não teremos o mesmo destino que o dos animais e das plantas? Mas eles têm espírito? Devem ter porque assim como a gente, nascem e morrem... Mas se têm o que os diferenciam de nós? Será que têm consciência do que fazem? E caso não tenham consciência de seus atos, seus espíritos vão para o céu ou para o inferno? Mas se não existe vida após a morte, o mesmo que ocorre com eles deve acontecer também com a gente..."

Os dias iam se passando e aquele homem prepotente e orgulhoso dava lugar a um ser inseguro e deprimido. Jó vivia pensativo, mas não comentava com ninguém sobre o sonho. Sua esposa estava bastante apreensiva com o que conseguiu ouvir antes de acordá-lo: "Eu não matei ninguém. Posso até ter alguns defeitos, mas assassino ou ladrão nunca fui. Isso não! Deus me livre! O Manoel interpretou tudo errado Joãozinho... Eu não estava tendo um caso com a sua mulher... Isso foi antes de vocês casarem. Eu nem sabia que a sua mulher era a Angélica com quem fui noivo. Ele entendeu tudo errado... Tudo errado!"

Sentindo-se insegura para tocar no assunto devido ao estado no qual já se encontrava o marido, Laura dava asas à imaginação: "Será que Jó tem a ver com a morte de meus irmãos? Jó e Angélica tiveram um caso e ele nunca me disse nada!... Meu Deus! Foram eles; foram eles que tramaram a morte dos meninos... Manoel deve ter descoberto e 'dado com a língua nos dentes' e eles mandaram matar os dois antes que o caso se tornasse um escândalo. Ave Maria! Só pode ter sido isso!"

Os dias foram se passando e o percurso mais longo que Jó se arriscava a fazer era do quarto até a cozinha ou, no máximo, até o alpendre: lá ficava tentando decifrar o conteúdo do sonho.

Certo dia, ele começou e ter alucinações e receber a visita dos irmãos Ferreira. E não adiantava se esconder: onde entrasse eles iam junto.

- Deixem-me em paz! – gritava apavorado. - Não matei vocês. Não trai você, João Pedro! Não trai! É tudo invenção do Manoel. É invenção dele... Invenção!

A partir de então, ele parou de se comunicar com as pessoas, de andar e de comer. A vida já não tinha sentido, pois sua bússola não mais indicava o caminho a seguir.

A notícia acerca do seu estado de saúde se espalhou e ele começou a receber muitas visitas. Vez ou outra tinha as alucinações e conversava com os falecidos diante de todo mundo, tentando explicar para eles que não era responsável pelo crime.

O boato de que Jó estava recebendo os espíritos dos irmãos Ferreira e que estes revelaram ter sido ele e a viúva de João Pedro os responsáveis pelo crime começou a circular. "Veja como são as coisas: Jó mandou matar os cunhados porque estava tendo um caso com a mulher de um deles e o outro descobriu". – comentava-se na região.

A notícia chegou aos ouvidos de seu Joaquim e dona Leonarda. Indignados, pressionaram Angélica, viúva de João Pedro, para ouvir a versão dela, mas antes que isso acontecesse, a mesma se suicidou dentro de um açude.

O sonho de Jó e o suicídio de Angélica tornaram-se os assuntos mais comentados da região durante muito tempo. Para alguns, não restavam dúvidas: o assassinato dos irmãos Ferreira agora estava mais do que esclarecido. O estado de saúde de Jó e o suicídio de Angélica eram a manifestação da justiça divina, visto que tinham cometido um crime bárbaro e isso não poderia ficar impune. "Quem deve teme!" – comentavam na redondeza. – "Ela viu que ia ser desmascarada e se matou. Já ele, olhe: a consciência pesou tanto que acabou confessando o crime e ficando 'ruim da bola'..."

Para outros, a dúvida falava mais forte: "Pobrezinha! Talvez se matou porque era inocente e não aguentaria passar por tamanha humilhação. Quem já viu: além de perder o marido tão nova, coitada, agora ser responsabilizada pelo crime!..."

 

 

A escolha

 

"Que seja doce a dúvida a quem a verdade pode fazer mal."

Michelangelo Buonarroti

 

Após o acontecido, seu Joaquim e dona Leonarda mandaram chamar Laura em casa e obrigaram-na a deixar o marido:

- Não é possível que depois de tudo o que esse homem fez à nossa família você ainda tenha coragem de viver ao lado dele! – reclamou dona Leonarda.

- Esse homem é meu marido, mamãe. – rebateu Laura. – Tenho consciência que ele tem muitos defeitos, mas não consigo me convencer de que tudo não passe de um sonho.

- Um sonho, minha filha! – contestou seu Joaquim. – O sonho foi a única forma que Nosso Senhor encontrou para soltar a língua daquele miserável, isso sim!

- Papai! – interpelou Laura. – Entendo perfeitamente a posição de vocês. Mas preciso que tentem se colocar no meu lugar...

- Não, minha filha! – retorquiu dona Leonarda. – Escolher ficar ao lado desse homem depois de tudo é incompreensível. Por favor, não nos peça para fazer isso!

- E se ele for inocente? – questionou Laura. – Se tudo não passar de um pesadelo, de alucinações?

- Se fosse, minha filha! Se fosse!... – retrucou seu Joaquim. - Mas o caso é que não é nem aqui nem no "quinto dos infernos". Depois do que ele foi capaz de fazer com a gente esses anos todos não restam dúvidas: ele acabou com a vida dos seus irmãos e com a nossa também. Só não vê quem for cego!...

- Você escolhe, minha filha: – ordenou dona Leonarda. – ou abandona aquele bandido ou não nos considere mais como seus pais.

- Mas mamãe!

- Mas nada! É isso mesmo que você ouviu e pronto! Mas nada! – respondeu dona Leonarda com o consentimento de seu Joaquim que balançava a cabeça.

 

 

O sofrimento

 

"O caráter pode se manifestar nos grandes momentos, mas ele é formado nos pequenos."

Phillips Brooks

 

Apesar de muito confusa, Laura preferiu cuidar do marido que estava a cada dia de mal a pior. Seu estado era tão grave que já não havia muita esperança de que viesse a ficar recuperado. No entanto, para não deixá-lo "morrer à míngua", a família resolveu levá-lo à capital para receber os cuidados médicos.

No hospital, Jó até estava respondendo bem ao tratamento quando Laura resolveu "tirar a limpo" o conteúdo do sonho:

- Preciso que me conte a verdade, Jó. Vivo com você há vinte anos e tenho o direito de saber o que realmente aconteceu entre você e a finada Angélica.

- Finada Angélica? – questionou Jó, assustado.

- Sim, finada.

- Não! Não! Finada não! Foram eles... A culpa é deles... Eles mataram a Angélica...

- Ninguém matou a Angélica, Jó. Foi ela que se suicidou.

- Não! Angélica não! Morta não! Não!

Até então ele não sabia do falecimento de Angélica. A notícia de tal fato deixou-o ainda mais perturbado. Já sua reação contribuiu para que Laura ficasse ainda mais duvidosa acerca do seu envolvimento com a ex-cunhada e com o assassinato dos irmãos.

Jó enlouqueceu de vez. A partir de então foi transferido para um manicômio, onde permaneceu por quase dois anos.

___________________

* Capítulos 20 a 22 do romance O SONHO DA CONVERSÃO cuja publicação dar-se-á aqui e no blog http://valcimelo.blogspot.com.br ao longo dos próximos dias.

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao user original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Denuncie conteúdo abusivo
Valci Melo ESCRITO POR Valci Melo Escritor
Senador Rui Palmeira - AL

Membro desde Junho de 2013

Comentários

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login