Tema Acessibilidade

O SONHO DA CONVERSÃO (Parte 7 - final)*

O acerto de contas

 

“Viver é isso: ficar se equilibrando o tempo todo, entre escolhas e consequências.”

Jean-Paul Sartre

 

Recuperado, Jó retornou a sua casa, mas nada era mais como antes. Sua esposa, seus filhos, seus compadres, enfim, quem não o acusava seguramente como assassino, alimentava sérias dúvidas acerca do seu envolvimento com Angélica e com a morte dos irmãos Ferreira.

Jó não sabia distinguir o que era pior: se a acusação daqueles que descaradamente o evitava ou a frieza dos que não conseguiam acreditar na sua total inocência. Diferentemente de antes, conseguia se colocar no lugar das pessoas e imaginar o quanto era difícil para elas acreditarem nele. Às vezes, até ele mesmo duvidava se realmente não tinha alguma responsabilidade no assassinato dos irmãos Ferreira: “Será que aquela discussão no bar do Zé da Pinga não teria exposto demais os rapazes? Tinha muita gente observando e quem garante que os bandidos não ouviram nossa briga e colocaram uma tocaia?”

Mas também não descartava outras hipóteses: “Angélica estava muito angustiada com a possibilidade de Manoel espalhar o rumor de que traia o marido... Será que ela teve coragem de mandar matá-los para se proteger? Não! Aquela dali era anjo em pessoa: seria incapaz de fazer uma coisa dessas! Deve ter sido o Severino mesmo, com raiva pelo prejuízo que levou... Ou foi seu Raimundo? Quem sabe pode ter sido até alguém que ninguém imagina...”

Vez ou outra, Jó se punha a pensar no que viu e ouviu no sonho e o quanto aquilo conseguiu mexeu com a sua vida. Já não tinha certeza se deveria ou não batizar o Moisés, se existia céu ou inferno fora da Terra, se haveria vida após a morte... Mas de uma coisa tinha convicção: não queria que a sua vida acabasse com a morte. Por isso, precisava conduzi-la de modo diferente do que fizera até então. Não sabia muito bem por onde começar, mas tinha consciência de que a partir dali deveria regrar-se pelo amor ao próximo como a si mesmo.

Na dúvida acerca da real existência da vida após a morte, resolveu arriscar: a partir de então seria um novo homem. Se existir a eternidade, iria para o céu. Caso contrário, ao menos, daria sua contribuição para fazer desta vida um paraíso e deixaria boas recordações para os que ficassem e/ou viessem depois.

Disposto a mudar de vida, resolveu começar pela correção da injustiça que cometeu com seus sogros. “Vou pedir perdão pelo que fiz com eles, convencê-los de que não sou assassino, elucidar o que realmente existiu entre mim e a Angélica e convidá-los para serem os padrinhos do Moisés. Depois, darei um grande banquete para toda a população, ocasião em que tornarei público o conteúdo do meu sonho e esclarecerei esses boatos a meu respeito. Mesmo que ninguém acredite em mim, ficarei ao menos com a consciência tranquila por ter deixado tudo às claras”.

Numa manhã nublada de sábado, o sétimo dia da semana, Jó resolveu dar o primeiro passo: ir à casa dos sogros. Laura queria ir junto, mas ele recusou a companhia: queria ter uma conversa a sós com os pais dela.

Montou em seu cavalo e saiu anunciado a quem encontrava pelo caminho que em breve estaria dando um banquete e fazia muito gosto em ter todos por lá.

Ao vê-lo se aproximar, seu Joaquim e dona Leonarda não acreditavam que aquilo estava ocorrendo.

- É muito desaforo! – esbravejava a mãe de Laura. – Depois de tudo o que aconteceu esse bandido ainda tem a coragem de colocar os pés no que é nosso! Aí já é demais!...

- Aqui ele não entra! – garantia seu Joaquim. – E se insistir não respondo por mim...

- Oh de casa! Oh de casa!

- Aqui você não é bem vindo, assassino! - gritou dona Leonarda antes mesmo que ele desmontasse.

- Fora daqui, cabra! Não ouse cruzar o nosso batente se quiser sair andando com suas próprias pernas! – ameaçou seu Joaquim.

- Pelo amor de Deus! - solicitou Jó. - Só quero conversar com você...

- Não temos nada para conversar com você! – respondeu dona Leonarda. – Pra gente chega! Você já nos fez sofrer demais!

- Eu errei muito com vocês, é verdade, mas não matei os meninos nem trai o João Pedro. Por favor, eu imploro; deixe-me explicar tudo o que estão comentando...

- Não confiamos numa só palavra que venha de você, Jó. Não perca seu tempo! – esclareceu seu Joaquim. - Você pode enganar qualquer pessoa, menos a gente. Agora desapareça da minha porta senão vou ser obrigado a descarregar isso aqui no seu lombo! – concluiu seu Joaquim apontando a espingarda já engatilhada para Jó.

- Sei que não é fácil para vocês acreditarem em mim nem esquecer o mal que fiz durante esses anos todos. Mas deixem-me ao menos falar. Sou uma nova pessoa, por isso, imploro que ao menos ouçam o que tenho a dizer.

- Eu não queria me desgraçar com você, bandido, mas vou ser obrigado... – exclamou seu Joaquim acertando Jó nas costas com um tiro de espingarda enquanto ele descia do cavalo.

Em seguida, o velho abriu a porta e saiu para conferir se o infeliz estava realmente morto.

- Só peço que me perdoem! – sussurrou Jó agonizando.

Seu Joaquim torceu o rosto e saiu à procura de um portador para avisar a família que viesse recolher o corpo.

 

A vida “eterna”...

 

“De todas as coisas seguras, a mais segura é a dúvida.”

Bertolt Brecht

 

            Depois que morreu, Jó continuo a viver. E talvez continue por muitos e muitos anos. Pois, se para alguns, ficou apenas a imagem arrepiante de um bandido, de um mau caráter, e para outros, somente a dúvida se tudo não tinha realmente passado de um sonho, de um infeliz pesadelo, para a maioria das pessoas ele foi elevado à condição de mártir e idealizado como herói. Para estas, a última impressão prevaleceu e se foi responsável pela morte dos irmãos Ferreira ou não, isso já não importava tanto. Bastava saber que, quando morreu, estava verdadeiramente disposto a ser uma nova pessoa... E arriscavam até um ousado palpite: “Quem sabe se estivesse vivo não estaria, de fato, contribuindo para a construção de um mundo melhor...”

_________________

* Capítulos 23 e 24 do romance O SONHO DA CONVERSÃO cuja publicação se deu aqui e no blog http://valcimelo.blogspot.com.br.

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
0
1,2 K visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Valci Melo ESCRITO POR Valci Melo Escritor
Senador Rui Palmeira - AL

Membro desde Junho de 2013

Comentários