Sobre mudar o mundo

Leonel Alves Leonel Alves 24 de Janeiro de 2014
Sinto calafrios sempre que escuto algum pós-adolescente dizer que quer "mudar o mundo". Em geral, o que deseja é promover um mundo em que apenas um certo tipo de pensamento prevalecerá (o dele, claro!), onde a diversidade de opiniões será desencorajada (senão combatida) e todos serão, finalmente, "iguais". Mas, como no mundo real os recursos são limitados, tal divisão para a abundância se tornará impossível -- seremos, portanto, nivelados por baixo e nos refestelaremos na pobreza. Para a efetivação de seu projeto totalitário alguma (muita) violência será necessária, mas, sempre justificada pelos nobres fins que almeja.

Entretanto, algo que sempre me intrigou é que o "revolucionário" em questão não vê a si mesmo como mão-de-obra na construção deste admirável novo mundo (quiçá como reles chão de fábrica não-remunerado engajado em trabalho análogo à escravidão) -- acredita, no íntimo, que fará parte da elite iluminada que guiará a massa ignara no (eterno) processo de transição para o comunismo e que será, ele mesmo, um "Che" ou um "Mao" redivivo -- e, para tanto, cobrará caro "a parte que lhe cabe neste latifúndio". Uma simples conversa com um militante de qualquer partido de esquerda ou do movimento estudantil o provará.
Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao user original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Denuncie conteúdo abusivo
Leonel Alves ESCRITO POR Leonel Alves Leitor
São Miguel dos Campos - AL

Membro desde Janeiro de 2010

Comentários