Portal Escritores

Forca sem força

Naquele dia, ao tentar despertar,

eu vi minha felicidade pendurada

por uma das mais antigas armas.

 

Eu vi os braços dos meus abraços amarrados.

Eu vi as mãos das minhas carícias atadas.

Eu vi os dedos dos nossos pecados paralisados.

Eu vi as pernas dos nossos orgasmos imóveis.

Eu vi os pés das nossas caminhadas tesos.

 

Naquele dia, ao tentar adormecer,

eu vi minha alegria ceifada

por uma das mais antigas armas:

 

O amor.

Sim.

Comentários

Ataniel
Ataniel 14 de Março de 2014 às 13:01

É, o amor. Pequeno sentimento que consolida a união estável entre seres de personalidades e comportamentos um tanto diferenciados. O mesmo que nos envolve com seu encanto, com sua simplicidade, com sua maneira de conquistar e, aos poucos torna -se um verdadeiro hóspede do coração. Um ótimo texto, meu amigo! Forte abraço!

Majal-San
Majal-San 09 de Maio de 2014 às 21:09

Valeu, Ataniel! Muito obrigado.

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Majal-San
Escrito por:
Majal-San
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 25 de Janeiro de 2014

Já foi visto 426 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


416
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
REMORSO DE UM FILHO

Por Antonio Batista

Ineficácia

Por Majal-San

O Dom

Por Claudenor de Albuquerque

Poesias e poesias

Por Majal-San

Acabou!?

Por Max Farias

Textos do Mesmo Autor
A Valsa do Otário

Por Majal-San

Meu meio-dia

Por Majal-San

Resplandecente

Por Majal-San

Ansiedade

Por Majal-San

Interrogação

Por Majal-San