Portal Escritores

Em Pessoa


 

Revesti minha poesia
De verbetes reluzentes
Que brilhem fundo n'almas
E as iluminem inteiramente,
Mas a canção que acalma
É a mesma da dor contundente
Às vezes, métrica e rima
Às vezes, apenas repente
Às vezes, verdade e razão
Outras tantas, transcendentes
Realidades que mente
Por vezes, pura ilusão
Coração que se ressente
Mas o poeta fingidor,
Na dor que deveras sente,
Sentimento e reflexão,
Quer ser mente e coração
E aí que apenas mente.

 

*Fan Page Emanuel Galvão


















Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Emanuel Galvão
Escrito por:
Emanuel Galvão
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 08 de Julho de 2014

Atualizado em 08 de Julho de 2014

Já foi visto 689 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


678
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Pequeno pecado

Por AdrianoRockSilva

A Breve História de Um Breve Verso

Por Claudenor de Albuquerque

Hospedaria...

Por Eduardo Proffa

Eleição safadinha

Por AdrianoRockSilva

Textos do Mesmo Autor
Poeminha Traquino

Por Emanuel Galvão

Anotações Importantes

Por Emanuel Galvão

Do Arquiteto Ao Arquiteto

Por Emanuel Galvão

Molhada de Suor e de Desejo

Por Emanuel Galvão

Escambo

Por Emanuel Galvão