Portal Escritores

Amigo da cobra


 

Quem eu pensava serem,

Amigos são umas cobras;

Da espécie,

Mais venenosa.

 

Seu opio não sai,

Dos dentes,

Saem da língua...

Não rastejam como serpentes.

 

Andam sobre duas pernas,

Falam, comem e dormem,

Mas não são inofensivos

Seu poder está-nos que passam fome.

 

Passam fome de amor de carinho;

Está-nos que sofrem cor a dor;

Que não tem cura que só a,

Morte liberta me falta da vida o calor.

 

TALVANES FAUSTINO 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Talvanes Faustino
Escrito por:
Talvanes Faustino
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 13 de Abril de 2016

Já foi visto 422 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


422
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Ilusões

Por Cleide Vanderley

O Triste Fim de Um Amante da Rotina

Por Claudenor de Albuquerque

DEVANEIOS

Por Nilton Santos

Cabelos

Por Claudenor de Albuquerque

Inspiração

Por Cleide Vanderley

Textos do Mesmo Autor
Interior Vermelho

Por Talvanes Faustino

Rotina

Por Talvanes Faustino

Pau da Terra

Por Talvanes Faustino

Veneno

Por Talvanes Faustino