Portal Escritores

HISTÓRIA DA MOÇA QUE FEZ PROMESSA PARA CASAR, E DO RAPAZ QUE APANHOU DA NAMORADA

PEÇA INSPIRADA EM CORDÉIS PARA TEATRO DE RUA

GÊNERO: COMÉDIA

CENSURA: 16 anos

 

PERSONAGENS:        Narrador

                                 Rita Monte

                                 Jacinto Ferro

                                 Maria Oferecida

                                 Maria Fisgada

                                 Delegado

                                 Homens e Mulheres 

 

NARRADOR –       Boa tarde senhoras e senhores!

                            Preste muita atenção

                            Na história da donzela

                            Que queria se casar

                            Fez uma promessa pro santo

                            Um marido lhe arrumar

                            E como se ademorou

                            Pra promessa se cumprir

                            Numa estranha reação

                            Ela se disisperou           

                            E tentou fazer do santo

                            Uma farofa de pilão

 

                            E também na história do rapaz

                            Bonito, trabalhador

                            Mas que não correspondia

                            Aos chamego das muié

                            Apanhou de uma delas

                            Revoltado com o fato

                            Se arrecolheu no roçado

                            Prometendo se vingar

 

RITA MONTE –      Ai! Meu santinho querido

                             Me ajuda por favor

                             Manda logo esse marido?

                             Eu tô tão disisperada!

                             Já me ofereci pr´um batalhão

                             Ele é dessa região?

                             Você só faz me olhá!

                             Não tem nada pra falá?

 

                            Santo, santinho meu!

                            Tô perdendo a paciência

                            E não me peça clemência

                            Pois assim, de supetão

                            Me deu uma vontade louca

                            De lhe fazer um prensão

                            E agora, agorinha

                            Você vai virar farinha,

                            Paçoquinha de pilão ...

                            (congela no gesto de jogar o santo no pilão)

 

NARRADOR –       Enquanto isso, bem longe

                             Lá, em outro lugar

                            Um rapaz vendia milho

                            Seu produto principal

                            Veja o que aconteceu

                            Espere, não vou contar ...

 

MARIA OFERECIDA –        Oi, seu minino!

                                         Seu milho é bom demais

                                         Será que o dono é igual?

                                         Eu posso inté apostar

                                         (e se esfrega no rapaz)

 

JACINTO FERRO – (recuando)

                             Qué isso, dona minina?

                             Os pessoá tão olhando

                             Vosmicê em mim se esfregano?

           

MARIA OFERECIDA – (atacando ainda mais)

                                  E você num tá gostando?

                                   Desse meu esfregamento?

 

JACINTO FERRO –        (todo acanhado)

                                     Num sei! Num sinto nadinha

                                      Nenhum formigamento

 

MARIA OFERECIDA –        (insistindo)

                                         Olha seu mole, seu bobo

                                         E assim, tô melhorando

                                         Seu sangue num tá fervendo?

 

JACINTO FERRO – (sempre fugindo e Maria Oferecida insistindo)

                              Não! De jeito nenhum!

                              Por favor, não faça isso

                              Meus freguês tão me olhando

                              Tá todo mundo parado

 

 

MARIA OFERECIDA –       (com raiva)

                                         Ah! Seu zé molão

                                          Pois vou lhe dar uma surra

                                          Pro povo ficar sabendo

                                          Que você é zé bundão

                                          (e bate muito no rapaz que vai se livrando dos tapas)

 

NARRADOR –       E o coitado do moço

                            Dela apanhou pra valer

                            Até as forças perder

                            Ele, muito envergonhado

                            Correu feito um disgramado

                            Em direção do roçado ...

 

JACINTO FERRO -  Isso assim num vai ficar

                              Preciso arrumar um jeito

                              Dessas moça me vingar  

                              Já sei! (corre até um local) É aqui

                              Nesse pedacim de terra

                              Que vou construir com fé

                              Um cantinho só pra mim

                              Pois vai ter muito conforto

                              Minha casa de sapé

                              A moça que me tentar

                              Nem sonha que no sapé

                              Vou seu catolé quebrá!

 

NARRADOR –      E a partir desse dia

                           Jacinto se transformou

                            Sua fama se espalhou

                            A muié que lhe tentasse

                            Ele não contava história

                            Levava lá pro seu ninho

                            Lhe quebrava o catolé

                            Dizem que duma só vez

                            Quebrou o catolé de cinco

                            Contando assim, bem por alto

                            São mais de setenta muié

                            Que ele fez o serviço

                            De quebrar o catolé

                            E agora todos querem

                            Lhe tomar satisfação

 

HOMENS E MULHERES – (querendo pegar o Jacinto)

 

HOMEM -  Vamos ter que dá um jeito

                De pegar esse sujeito

                Quebrador de catolé

                É uma questão de honra

                Ou não me chamo José!

 

HOMENS E MULHERES - (pegam o Jacinto e levam pra delegacia)

 

DELEGADO – (conversando à parte)

                      Seu Jacinto, aqui pra nóis

                      Vosmicê tem condição?

                      São mais de setenta muié

                      Pra vosmicê sustentá

                      E também pagá pensão!

 

JACINTO FERRO – (sorrindo cinicamente)

                             Qual nada seu Delegado

                             Os fios dessas danadas

                             Os pai dela vai criar

 

DELEGADO –        Só lhe resta uma saída

                            Um conselho vou lhe dar

                            Fuja logo, dê partida

                            Se tu tem amor a vida

                            (Jacinto foge em disparada)

 

HOMENS E MULHERES – Péra aí, seu desgraçado

                                      Quebrador de catolé

                                      (saem correndo pra pegar o Jacinto que foge no meio do povo)

 

NARRADOR –      Foi assim que seu Jacinto

                            Escafedeu-se no mundo

                            Veio parar nessas bandas

                            Em busca do amor profundo

                            Ah! Lembram da moça solteira

                            Que queria se casar?

 

RITA MONTE – (descongelando a ação de  atirar o santo no pilão)

                        E agora, agorinha

                        Você vai virar farinha

                         Paçoquinha de pilão

 

MARIA FISGADA –     (curiosa)

                                   Amiga, o que é isso?

                                   O que estais a fazer

                                    com o tadinho do santo?

 

RITA MONTE –       Esse santo desalmado

                              Num cumpriu sua promessa

                              De arrumá um namorado!

 

MARIA FISGADA –      Então tu num tá sabendo

                                   Que chegou correndo, fugindo

                                    De mais de setenta muié?

                                    É minha fia, um tarado

                                    Quebrador de catolé!

 

RITA MONTE -      Ah! Meu santinho! Perdoa!

                            Essa tonta, desastrada

                             Vou pegar já a estrada

                            Correndo para encontrar

                             Esse moço benfazejo

                             Quem sabe? Num será ele

                             Com quem eu vou me casar!

 

NARRADOR – E na hora que se vira

                      Rita Monte se atira

                      Nos braços do fugitivo

 

JACINTO FERRO – Qué isso moça? Cuidado!

                             Num olha por onde pisa?

 

RITA MONTE –      Me adisculpe seu moço

                             É que tô muito apressada

                             Num olhe meu alvoroço

                             Preciso  encontrá um rapaz

                             Pra acabá minha aflição

                             Só ele será capaz

                             De me dá explicação.

 

NARRADOR – E Rita conta a Jacinto

                      O que acabou de saber

                      Dum rapaz que tá fugindo

                      Por quebrá o catolé

                      De mais de setenta muié

 

JACINTO FERRO –         (desconfiado)

                                     Com muito respeito moça

                                      Me adisculpe a indiscrição

                                     O que tu queres com ele?

                                     Vai lhe cobrar a pensão?

                                     Ou direitos conjugais,

                                     Com fins matrimoniais?

 

RITA MONTE – Não! Quem dera! Né isso não

                       Quero encontrar com ele

                       Pra saber se ele me quer

                       Quem sabe, goste de mim

                       E quebre meu catolé!

 

JACINTO FERRO – (animado)

                             Ah! Tô intendendo agora

                             Mocinha esperta tu é!

                             Se achegue aqui sá bichinha

                             Que agora, agorinha

                             Vou quebrar teu catolé ...

 

RITA MONTE –       Ai! Seu moço, tenha calma

                             Não se apresse, devagar

                             Esperei muito essa hora

                             Só lhe peço um instantinho

                             Deixe eu segurar o santo

                             Pra depois eu me entregar

 

NARRADOR –      E começou o chamego

                           Mas, Jacinto ficou surpreso

                            Estatalado! Teso!

                            Com muita decepção

                            No lugar tão desejado

                            Num encontrou catolé

                            O que achou no espaço

                            Foi um cabaço esgarçado

                            Sem um pinguinho de mé

 

                            E muito desesperado

                            Tomou outra direção

                            (Jacinto vai para trás de Rita)

                            Ali estacionou

                            Da nova área gostou

                            Teve enorme sensação

 

                            Voltou para o velho espaço

                            Não se importou com o melaço

                            E então se declarou ...

 

JACINTO FERRO  - Rita Monte, meu bem!

 

RITA MONTE – Jacinto Ferro, amor!

 

NARRADOR –     E assim, os dois num só

                           Selou a bela união

                            Num casou, ficou.

                            E felizes para sempre

                            Os pombinhos agarradinhos

                             Fizeram juras de amor

 

                            Lembra do santo? O danado

                            num atendeu, da donzela o pedido

                            Porque o esperto sabia que dela

                             O mé já tinha escorrido

 

TODOS –    E aqui agradecemos

                  A atenção de vocês

                  Adispois tem outra história

                  Pra você ficá freguês

                  Vamos passar o chapéu

                  Que Deus proteja vocês

 

Final com musica e coreografia

 

                        M de mar

                        A de amor

                        C de carinho, céu e sol de Maceió

                        E de eterno

                        I de ilusão

                        Ó Maceió você roubou meu coração

                       

                        Ah! Que saudade do céu   \

                        Do sal, do sol de Maceió    / 2 X

 

 Por: Lucy Almeida - Resultado de uma oficina com o grupo Imbuaça que num dia lemos os cordeis e depois cada um contou para o grupo. Em casa juntei as histórias ouvidas que resultou nesse texto. No outro dia tentamos fazer a encenação ...

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Lucy Almeida
Escrito por:
Lucy Almeida
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 11 de Maio de 2016

Já foi visto 502 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Cordel


502
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor
FAXINA

Por Lucy Almeida

Amor doença

Por Lucy Almeida

Amizade

Por Lucy Almeida

AHIRANIE

Por Lucy Almeida

Mea Culpa

Por Lucy Almeida