Portal Escritores

HISTÓRIA DA MOÇA QUE FEZ PROMESSA PARA CASAR, E DO RAPAZ QUE APANHOU DA NAMORADA

PEÇA INSPIRADA EM CORDÉIS PARA TEATRO DE RUA

GÊNERO: COMÉDIA

CENSURA: 16 anos

 

PERSONAGENS:        Narrador

                                 Rita Monte

                                 Jacinto Ferro

                                 Maria Oferecida

                                 Maria Fisgada

                                 Delegado

                                 Homens e Mulheres 

 

NARRADOR –       Boa tarde senhoras e senhores!

                            Preste muita atenção

                            Na história da donzela

                            Que queria se casar

                            Fez uma promessa pro santo

                            Um marido lhe arrumar

                            E como se ademorou

                            Pra promessa se cumprir

                            Numa estranha reação

                            Ela se disisperou           

                            E tentou fazer do santo

                            Uma farofa de pilão

 

                            E também na história do rapaz

                            Bonito, trabalhador

                            Mas que não correspondia

                            Aos chamego das muié

                            Apanhou de uma delas

                            Revoltado com o fato

                            Se arrecolheu no roçado

                            Prometendo se vingar

 

RITA MONTE –      Ai! Meu santinho querido

                             Me ajuda por favor

                             Manda logo esse marido?

                             Eu tô tão disisperada!

                             Já me ofereci pr´um batalhão

                             Ele é dessa região?

                             Você só faz me olhá!

                             Não tem nada pra falá?

 

                            Santo, santinho meu!

                            Tô perdendo a paciência

                            E não me peça clemência

                            Pois assim, de supetão

                            Me deu uma vontade louca

                            De lhe fazer um prensão

                            E agora, agorinha

                            Você vai virar farinha,

                            Paçoquinha de pilão ...

                            (congela no gesto de jogar o santo no pilão)

 

NARRADOR –       Enquanto isso, bem longe

                             Lá, em outro lugar

                            Um rapaz vendia milho

                            Seu produto principal

                            Veja o que aconteceu

                            Espere, não vou contar ...

 

MARIA OFERECIDA –        Oi, seu minino!

                                         Seu milho é bom demais

                                         Será que o dono é igual?

                                         Eu posso inté apostar

                                         (e se esfrega no rapaz)

 

JACINTO FERRO – (recuando)

                             Qué isso, dona minina?

                             Os pessoá tão olhando

                             Vosmicê em mim se esfregano?

           

MARIA OFERECIDA – (atacando ainda mais)

                                  E você num tá gostando?

                                   Desse meu esfregamento?

 

JACINTO FERRO –        (todo acanhado)

                                     Num sei! Num sinto nadinha

                                      Nenhum formigamento

 

MARIA OFERECIDA –        (insistindo)

                                         Olha seu mole, seu bobo

                                         E assim, tô melhorando

                                         Seu sangue num tá fervendo?

 

JACINTO FERRO – (sempre fugindo e Maria Oferecida insistindo)

                              Não! De jeito nenhum!

                              Por favor, não faça isso

                              Meus freguês tão me olhando

                              Tá todo mundo parado

 

 

MARIA OFERECIDA –       (com raiva)

                                         Ah! Seu zé molão

                                          Pois vou lhe dar uma surra

                                          Pro povo ficar sabendo

                                          Que você é zé bundão

                                          (e bate muito no rapaz que vai se livrando dos tapas)

 

NARRADOR –       E o coitado do moço

                            Dela apanhou pra valer

                            Até as forças perder

                            Ele, muito envergonhado

                            Correu feito um disgramado

                            Em direção do roçado ...

 

JACINTO FERRO -  Isso assim num vai ficar

                              Preciso arrumar um jeito

                              Dessas moça me vingar  

                              Já sei! (corre até um local) É aqui

                              Nesse pedacim de terra

                              Que vou construir com fé

                              Um cantinho só pra mim

                              Pois vai ter muito conforto

                              Minha casa de sapé

                              A moça que me tentar

                              Nem sonha que no sapé

                              Vou seu catolé quebrá!

 

NARRADOR –      E a partir desse dia

                           Jacinto se transformou

                            Sua fama se espalhou

                            A muié que lhe tentasse

                            Ele não contava história

                            Levava lá pro seu ninho

                            Lhe quebrava o catolé

                            Dizem que duma só vez

                            Quebrou o catolé de cinco

                            Contando assim, bem por alto

                            São mais de setenta muié

                            Que ele fez o serviço

                            De quebrar o catolé

                            E agora todos querem

                            Lhe tomar satisfação

 

HOMENS E MULHERES – (querendo pegar o Jacinto)

 

HOMEM -  Vamos ter que dá um jeito

                De pegar esse sujeito

                Quebrador de catolé

                É uma questão de honra

                Ou não me chamo José!

 

HOMENS E MULHERES - (pegam o Jacinto e levam pra delegacia)

 

DELEGADO – (conversando à parte)

                      Seu Jacinto, aqui pra nóis

                      Vosmicê tem condição?

                      São mais de setenta muié

                      Pra vosmicê sustentá

                      E também pagá pensão!

 

JACINTO FERRO – (sorrindo cinicamente)

                             Qual nada seu Delegado

                             Os fios dessas danadas

                             Os pai dela vai criar

 

DELEGADO –        Só lhe resta uma saída

                            Um conselho vou lhe dar

                            Fuja logo, dê partida

                            Se tu tem amor a vida

                            (Jacinto foge em disparada)

 

HOMENS E MULHERES – Péra aí, seu desgraçado

                                      Quebrador de catolé

                                      (saem correndo pra pegar o Jacinto que foge no meio do povo)

 

NARRADOR –      Foi assim que seu Jacinto

                            Escafedeu-se no mundo

                            Veio parar nessas bandas

                            Em busca do amor profundo

                            Ah! Lembram da moça solteira

                            Que queria se casar?

 

RITA MONTE – (descongelando a ação de  atirar o santo no pilão)

                        E agora, agorinha

                        Você vai virar farinha

                         Paçoquinha de pilão

 

MARIA FISGADA –     (curiosa)

                                   Amiga, o que é isso?

                                   O que estais a fazer

                                    com o tadinho do santo?

 

RITA MONTE –       Esse santo desalmado

                              Num cumpriu sua promessa

                              De arrumá um namorado!

 

MARIA FISGADA –      Então tu num tá sabendo

                                   Que chegou correndo, fugindo

                                    De mais de setenta muié?

                                    É minha fia, um tarado

                                    Quebrador de catolé!

 

RITA MONTE -      Ah! Meu santinho! Perdoa!

                            Essa tonta, desastrada

                             Vou pegar já a estrada

                            Correndo para encontrar

                             Esse moço benfazejo

                             Quem sabe? Num será ele

                             Com quem eu vou me casar!

 

NARRADOR – E na hora que se vira

                      Rita Monte se atira

                      Nos braços do fugitivo

 

JACINTO FERRO – Qué isso moça? Cuidado!

                             Num olha por onde pisa?

 

RITA MONTE –      Me adisculpe seu moço

                             É que tô muito apressada

                             Num olhe meu alvoroço

                             Preciso  encontrá um rapaz

                             Pra acabá minha aflição

                             Só ele será capaz

                             De me dá explicação.

 

NARRADOR – E Rita conta a Jacinto

                      O que acabou de saber

                      Dum rapaz que tá fugindo

                      Por quebrá o catolé

                      De mais de setenta muié

 

JACINTO FERRO –         (desconfiado)

                                     Com muito respeito moça

                                      Me adisculpe a indiscrição

                                     O que tu queres com ele?

                                     Vai lhe cobrar a pensão?

                                     Ou direitos conjugais,

                                     Com fins matrimoniais?

 

RITA MONTE – Não! Quem dera! Né isso não

                       Quero encontrar com ele

                       Pra saber se ele me quer

                       Quem sabe, goste de mim

                       E quebre meu catolé!

 

JACINTO FERRO – (animado)

                             Ah! Tô intendendo agora

                             Mocinha esperta tu é!

                             Se achegue aqui sá bichinha

                             Que agora, agorinha

                             Vou quebrar teu catolé ...

 

RITA MONTE –       Ai! Seu moço, tenha calma

                             Não se apresse, devagar

                             Esperei muito essa hora

                             Só lhe peço um instantinho

                             Deixe eu segurar o santo

                             Pra depois eu me entregar

 

NARRADOR –      E começou o chamego

                           Mas, Jacinto ficou surpreso

                            Estatalado! Teso!

                            Com muita decepção

                            No lugar tão desejado

                            Num encontrou catolé

                            O que achou no espaço

                            Foi um cabaço esgarçado

                            Sem um pinguinho de mé

 

                            E muito desesperado

                            Tomou outra direção

                            (Jacinto vai para trás de Rita)

                            Ali estacionou

                            Da nova área gostou

                            Teve enorme sensação

 

                            Voltou para o velho espaço

                            Não se importou com o melaço

                            E então se declarou ...

 

JACINTO FERRO  - Rita Monte, meu bem!

 

RITA MONTE – Jacinto Ferro, amor!

 

NARRADOR –     E assim, os dois num só

                           Selou a bela união

                            Num casou, ficou.

                            E felizes para sempre

                            Os pombinhos agarradinhos

                             Fizeram juras de amor

 

                            Lembra do santo? O danado

                            num atendeu, da donzela o pedido

                            Porque o esperto sabia que dela

                             O mé já tinha escorrido

 

TODOS –    E aqui agradecemos

                  A atenção de vocês

                  Adispois tem outra história

                  Pra você ficá freguês

                  Vamos passar o chapéu

                  Que Deus proteja vocês

 

Final com musica e coreografia

 

                        M de mar

                        A de amor

                        C de carinho, céu e sol de Maceió

                        E de eterno

                        I de ilusão

                        Ó Maceió você roubou meu coração

                       

                        Ah! Que saudade do céu   \

                        Do sal, do sol de Maceió    / 2 X

 

 Por: Lucy Almeida - Resultado de uma oficina com o grupo Imbuaça que num dia lemos os cordeis e depois cada um contou para o grupo. Em casa juntei as histórias ouvidas que resultou nesse texto. No outro dia tentamos fazer a encenação ...

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Lucy Almeida
Escrito por:
Lucy Almeida
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 11 de Maio de 2016

Já foi visto 567 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Cordel


567
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor
Berço Cultural

Por Lucy Almeida

EU POR MIM

Por Lucy Almeida

Um consolo

Por Lucy Almeida

Amor Fraternal

Por Lucy Almeida