Portal Escritores

O PEDAL DA CICLOVIDA

O PEDAL DA CICLOVIDA
(Desabafo ao jovem morto na ciclovia)

Aprendi, desde criança,
A sensação da liberdade,
E ao pedalar pela cidade,
Sob tombos e lembranças...
Ah, eram só felicidades!
E pedalava com o papai,
E a mamãe me empurrava...
Ao meu irmão, eu rebocava,
Uma caçamba só, não dava!
Eram dias de graça!
Era um descida aqui !
Outra subida acolá !
E aquele descanso na Praça?
Pois é...
Fui crescendo e pedalando,
E já rapaz e estudando,
A bicicleta não parava,
Ela era uma parada!
E aos amigos, eu não dava!
Não vendia, quiçá emprestava!
Eis, me encontro namorando!
E que linda namorada !
E a minha bicicleta enciumada ...
Haha! agora era acompanhada!
Era a "princesa pedalada",
A me seguir pela estrada,
Fosse pedal esquerdo e direito,
Ah, nem se importava ao defeito!
Mesmo indo ao caminho estreito,
Seu pedalar era assim...perfeito!
Como era bom ! O amor, respeito!
Ah...e sentir vento no peito!?
Éramos, ciclovidas! Um lindo feito!

Mas...

Os raios em brilho das rodas pararam!
E os pneumáticos cheios, se rasgaram.
-Qual foi o acontecido?
Transeuntes, indagavam!
-O asfalto se fez mais escurecido!
-E o canteiro, olhem! jaz sem flores!
- Meu Deus, foi acidente, gente!
E assim, se deu mais uma história triste,
De algum sujeito displicente
A separar de vez, dois grandes amores...











































Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Andre Pinto
Escrito por:
Andre Pinto
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 31 de Julho de 2016

Já foi visto 265 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


265
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Tudo Mentiras

Por João Filho (JF)

Torcida pelo meu amor

Por Nathália Amanda

O TEU ROMANTISMO

Por Erisvaldo Vieira

Faraó Pensativo

Por Natasha Cardoso

Textos do Mesmo Autor
OS LAMPARÕES

Por Andre Pinto

AMOR QUE NUNCA NAUFRAGA

Por Andre Pinto

A CONCHITA E O HIPÓLITO

Por Andre Pinto

CURVAS DO VENTO

Por Andre Pinto

SÃO JOÃO DA BARRA

Por Andre Pinto