Portal Escritores

ANDARILHO ERRANTE


Como um andarilho errante

Saio a perambular pelas ruas do destino

A sentar nas calçadas da vida

E remoer minhas alegrias e tristezas

Atormentado pelos meus fantasmas

Do passado, do presente e do futuro

Ainda por vir,

Que, iguais a vulcões adormecidos,

Acordam e se levantam dentro de mim

Começam a me atormentar

E com as bocas escancaradas

Cheias de dentes imundos

Iniciam o ritual macabro

O banquete sinistro de me devorar

A me remoer

Até me reduzir a nada...

Mas, igual a uma fênix,

Renasço das cinzas

E como um andarilho errante

Insisto a perambular

Pelas ruas do destino

E a sentar

Nas calçadas da vida

Como um andarilho errante...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X
X
X
X
X
X
X
X
X

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Severino Ramos Barbosa
Escrito por:
Severino Ramos Barbosa
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 21 de Abril de 2017

Atualizado em 04 de Maio de 2017

Já foi visto 554 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


554
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Conseguirá seu objetivo

Por José Maria Amaranto

Invasora II

Por Majal-San

Biografia Isabel Maria da Silva,

Por Maria Alice Santos

Marcelo

Por Iara P.Vilela

Textos do Mesmo Autor
Solidão

Por Severino Ramos Barbosa

Temor

Por Severino Ramos Barbosa

Lágrimas

Por Severino Ramos Barbosa

O que é o homem?

Por Severino Ramos Barbosa

Nada

Por Severino Ramos Barbosa