Vem aí novidades...
Portal Escritores

ANDARILHO ERRANTE

Como um andarilho errante

Saio a perambular pelas ruas do destino

A sentar nas calçadas da vida

E remoer minhas alegrias e tristezas

Atormentado pelos meus fantasmas

Do passado, do presente e do futuro

Ainda por vir,

Que, iguais a vulcões adormecidos,

Acordam e se levantam dentro de mim

Começam a me atormentar

E com as bocas escancaradas

Cheias de dentes imundos

Iniciam o ritual macabro

O banquete sinistro de me devorar

A me remoer

Até me reduzir a nada...

Mas, igual a uma fênix,

Renasço das cinzas

E como um andarilho errante

Insisto a perambular

Pelas ruas do destino

E a sentar

Nas calçadas da vida

Como um andarilho errante...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X
X
X
X
X
X
X
X
X

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Severino Ramos Barbosa
Escrito por:
Severino Ramos Barbosa
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 21 de Abril de 2017

Atualizado em 04 de Maio de 2017

Já foi visto 158 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


158
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
COMO POSSO TE ESQUECER ?

Por Antonio Batista

Marcelo

Por Iara P.Vilela

Uma Crítica à Vida

Por Claudenor de Albuquerque

PILAR DA MINHA VIDA

Por Sérgio Moraes

Textos do Mesmo Autor
O tempo passou

Por Severino Ramos Barbosa

NA ESCURIDÃO DA NOITE

Por Severino Ramos Barbosa

O que é o homem?

Por Severino Ramos Barbosa

CALADO E PENSATIVO

Por Severino Ramos Barbosa

Minha Vida

Por Severino Ramos Barbosa