Vem aí novidades...
Portal Escritores

Entenda quem puder

Dentro de casa a mulher entediou-se, e aqui para nós, já não era sem tempo. Desfez-se do avental e na passagem pela varanda pendurou-o no armador da rede. Saíra da cozinha, ajeitando os cabelos com as mãos e passando a língua nos lábios ressecados. Andou até a cadeira de embalo, como dizia o povo do outro tempo, trouxe-a à calçada e sentou-se nela, cruzando as pernas com displicência. Na rua onde as gentes transitavam, viu os carros estacionados e como se o ontem e o agora fossem duas lâminas de uma mesma imagem, colocou-as uma sobre a outra para compará-las. Havia muita diferença à inconsciência generalizada para aquela visão de cidade que se tinha. Ou que alguns poucos tinham. A de hoje se olhamos com atenção é a mesmíssima, vive na inércia desde muito tempo, mas disfarça-se no acúmulo de automóveis parados e pequenas lojas em toda a extensão da avenida, dando-se à impressão de ter crescido. Qual nada. O lugar é o das mesmas conversas de todos os dias. A vidinha de um, a vidinha de outro, novidades alheias que a depender do assunto, movimentam os grandes vácuos de existência, dentro de quem dorme por dentro. Que entenda quem puder.

 

Idalina pensava assim, quando um velho sapo saiu de um dos canos do esgoto e atravessou o calçamento. Olhava-o, a princípio por tê-lo visto. Depois, por falta de distração e daqui a pouco, o observará em seu percurso, movida pela curiosidade. Ele subiu devagar o meio-fio da praça e foi esconder-se em posição estratégica, esperando insetos que rodavam em torno da luz do poste. Deu por vista o cantinho escolhido e o batráquio vagaroso fazendo sua cama, alojando-se cuidadoso à espreita das presas. Agora era só esperar. Moveu o olhar para outro ponto perdido. Àquela hora imaginou como seria ser profundamente amada.

 

Como será?

 

Então pensou o sentimento como uma linha estável indo em direção ao infinito. Um subir sem saltos nem arroubos. Sereno, morno e constante. Seguro e previsível como a ação do sapo, que atravessara o calçamento e depois voltará de onde veio satisfeito e forte. Pareceria coisa repetitiva e sem graça. Nem fogo tinha. Nem paixão deveria ter de tão sereno que era. Mas não. Não era. E o sabiam os insetos, diversos, inebriados pela luz, sendo engolidos como brasas ardentes. É o fogo divino de Prometeu sempre aceso. Ali, para além do tempo das coisas fixas, do espaço determinado, acima das idades todas da vida. Ser profundamente amada e amar. As duas faces de Janus, o Senhor dos Portais. É essa troca, assim, igual à língua do sapo, viscosa, enorme e certeira, toda atividade, a arrastar tudo ao redor para dentro de si.

 

 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Goretti Brandão
Escrito por:
Goretti Brandão
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 06 de Agosto de 2017

Já foi visto 137 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


137
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor
Conto para um dia de chuva

Por Goretti Brandão

Meia idade

Por Goretti Brandão

Já contei?

Por Goretti Brandão

Plenitude

Por Goretti Brandão