Portal Escritores

Desejo

Ele está só em seu apartamento, sendo monitorado e preso pelo tempo, ao longo do dia sua rotina segue a mesma, arrumar a casa, cozinhar para si, lavar, menos passar ele não gosta.
O seu momento de lazer são as msgs enviadas para todos os seus contatos e também para mim, derrepente quando as leio sinto que ele virou. católico, devoto! cristão veemente, ora! para apagar os seus pecados? ou é apenas um passatempo? Ou ele sempre foi assim?!  é transparente; ele se alimenta de outros sentimentos, esses que em seu íntimo não o deixa me esquecer.
Em suas horas de lazer como de costume envia mesgs a seu contatos, mas há um em especial, ele tenta esquecê-la mas a mantém por perto, alimenta na pobre mulher um sentimento angustiante de desejo, parece sincero nas palavras mas, cada letra esconde a astúcia desse homem maduro.
Eu não sei o que faço, leio cada msg com olhar desesperado de prazer, eu sinto o seu tesão, ele não se contém, sua voz toca dentro do meu íntimo, faz de propósito, ele me quer, eu o quero!

Um certo dia tive coragem e o perguntei seu endereço, será que posso ir aí? E a resposta foi um sim. Eu não esperava. Me preparei naquele dia, a mais bonita e sexy lingerie, um vestido recatado, com um salto convidativo. Ao chegar no local, antes mesmo de entrar no elevador parei e pensei se era o que realmente eu queria, mais ora! por que esperar? Não foi o que eu sempre quis!?O que sempre desejei!
Sim, o desejo é maior. De andar, a andar eu contei até chegar ao seu, desci com a cabeça baixa e a respiração ofegante, encontrei o número do seu AP e com total delicadeza toquei a campahia, e esperei. Parecia que era a primeira vez que eu lhe via, um turbilhão de tesão estava dentro de mim, minhas pernas tremiam e meu íntimo estava cada vez mais úmido. Você segurou minha mão e me levou até a sala, me colocou sentada no sofá, por que da minha boca as palavras não exaltavam, acariciou meus cabelos e perguntou me como eu estava, aquele foi. o momento de sair do transe de ter lhe visto novamente, conversamos por algumas horas, você me contou como estava sendo os seus dias, sua luta em seguir com os negócios, de como gostava de me ver, até que você teve coragem de me beijar. Ah, ah!!! e que lábios, que beijo, quanto tempo eu não sentia sua respiração tão próximo ao meu rosto, quanto tempo eu não lhe tocava, e nos beijamos por eternos minutos.
Seus lábios tocou o meu, seus lábios tocou meu pescoço, tocou meus seios, sua língua passeou sobre o bico dos meus seios, deixando-os endurecidos, seus olhos estavam perdidos nos meus, enquanto sua boca me acariciava, minhas mãos passearam por seus cabelos, por seu rosto e te puxou de volta a mim; eu não me contive e não aguentei,,, Ei, eu quero te beijar todo! seu rosto, seu peitoral, suas pernas; seu pênis. Eu não resisti e o engoli, você estava ereto de tanto tesão, eu senti o pulsar, as veias ressaltadas de um pênis pronto a ser devorado, me desculpa não me conter, seu olhar para mim, sua boca entre aberta, só me sentindo, aproveitando o nosso momento.
O sofá não nos cabia, mas não nos importávamos, levantei e me pus em cima de você, sentei pra te dar mais prazer, você me acolheu em seus braços e eu não conseguia parar com os movimentos, ora suave, ora voraz, rebolar no seu membro nos deixou sobrenaturalmente em êxtase, em transe, fora desse mundo, era só nós; você gozou e não se limitou, o som alto da sua voz ecou por seu apartamento  em único tom, de prazer, sua cabeça encontrou o encosto do sofá como descanso e a minha o seu peito como acalanto. Ainda sinto seus delicados dedos subir e descer por minhas costas, ainda sinto minhas pernas abraçando sua cintura, ainda o sinto, o tenho em mim.







Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Ly Pier
Escrito por:
Ly Pier
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 25 de Fevereiro de 2018

Já foi visto 184 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


184
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
SERES LUMINOSOS

Por Andre Pinto

"ZEFINIDO*"

Por Genuzi

OS LÁBIOS DELA

Por Cícero Manoel