Portal Escritores

Estrada sem fim


Viajando Com um desconhecido,

Tão desconhecido, que disfarçaste de amigo.

Até parece que o conheço a milhares de anos

Com uma pele limpa e olhar misterioso

Disfarça-se  muito bem em torno de todo mal,

Que o libera.

Ceifando vidas, segue sem jamais ser o suspeito.

Trazendo agonia de forma tão dolorosa a ser feito,

Com seu martelo quebra os ossos de suas vitimas

E diante de meus olhos,

O vejo destruindo tudo e a si mesmo

Seguindo numa estrada sem fim

Te olho decapitando a si proprio

Seu olhar não é mais tão misterioso

Escondo-me atrás da arvore que ali vejo

E vejo que não pode mais causar mal algum

Pois a agonia de todos que fizestes mal,

Acabou te fazendo o maior mal,

Foste decapitado por si mesmo.



Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Victor Cardoso
Escrito por:
Victor Cardoso
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 17 de Outubro de 2018

Já foi visto 107 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


107
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Talvez Eu Seja Louco

Por Luangelys De Paula

Deus Te Proteja de Mim

Por José José Gomes

Shakespeare - Cansado Do Mundo

Por Luangelys Di Paula

O Céu

Por David Enthony

Soneto da saudade

Por Leonardo Jordão

Textos do Mesmo Autor
Turma.

Por Victor Cardoso

Amor- Até o fim dos tempos.

Por Victor Cardoso

Estrada Sem Fim.

Por Victor Cardoso

Sentimentos

Por Victor Cardoso

Irresoluto

Por Victor Cardoso