Portal Escritores

Esconderijo vermelho

 

 

 

Não rimo a rima certa e nem a incerta.

Faço a união do que me angustia

nesse exato momento

e assim trafego entre o que seria poesia

e a inutilidade de ser poeta inválido.

Fora de mim a obrigação das redondilhas

e das assonantes.

Fora todos os lápis do estojo.

Apenas me deixem com minhas tintas

primárias e minha folha encadernada.

De resto, levem tudo...

e fechem todas as portas quando saírem,

para que os cães famintos

não consigam me farejar

aqui dentro de mim mesmo.

 

 

Penélope SS

21-12-17  10h:50

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
AdrianoRockSilva
Escrito por:
AdrianoRockSilva
Autor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 20 de Novembro de 2018

Já foi visto 59 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


59
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
TRAVADO

Por glenysson bezerra

Louco

Por AdrianoRockSilva

Soneto teu

Por Leonardo Jordão

Canta à tua Deusa nua.

Por Mariane Rodrigues

Soneto da prepotência do homem

Por Leonardo Jordão

Textos do Mesmo Autor
triste nova canção do exílio

Por AdrianoRockSilva

PÊNDULO

Por AdrianoRockSilva

rosa dos ventos

Por AdrianoRockSilva

Rapidinha entre mim e Vênus

Por AdrianoRockSilva

Construindo o Mundo

Por AdrianoRockSilva