Portal Escritores

Está Decidido

Ouvi baterem à porta do meu apartamento. Não me interfonaram. Então previ que fosse minha namorada. Fui atender. Porém, era Cristina, uma das minhas melhores amigas. Suas visitas estavam tão íntimas e constantes que o porteiro já não me interfonava mais. Não era motivos de ficar chateado, pois em minha casa, Cristina era obviamente bem vinda. Ela entrou, sentou-se no sofá da sala, cruzou as pernas, me olhou nos olhos, e disse:

 - Amigo!

 - Oi? -- respondi.

 - Vou ler para você a mensagem que escrevi para o meu namorado.

 -- Comece. -- respondi, meio que sem entender o porquê dessa mulher fazer questão de que  vinhesse a saber o que ela teria escrito ao namorado.

 -- Bom, vamos lá!

                       Confesso que fui injusta, Marco Antônio. Não poderia eu ter ido tão longe com o nosso relacionamento tendo em vista tudo o que notei em ti, e tudo o que odiei em ti. Uma das causas essenciais de ter me proposto a estar contigo, foi à sua beleza fascinante. Mas creia que isso não é o suficiente. Eu tenho a noção de que essa beleza acabará conforme se passa os anos, e eu não consigo entender como é que um indivíduo com inteligência e capacidade de transcender-se a si mesmo, não preocupa-se com as virtudes. Eu me apaixonaria por você todos os dias, vendo a sua barriga crescer, a tua pele enrugar, a sua forma atlética se desfazer em gordura corporal de tantas cervejas e churrascos se, ao mesmo tempo, você estivesse preocupado em me ensinar as coisas da vida. Lhe perguntei ontem, sobre a dúvida que me surgia sobre a fé e a razão, e você nem sequer deu uma sutil pesquisada; nem sequer um simples ato de interesse. Isso denota claramente o seu vislumbre na superfície dos corpos e o desinteresse em alcançar a profundidade de nós dois. Quero que saiba de uma coisa: “eu gosto de homens que tenham dinheiro”. Você tem muito dinheiro! Mas de que adianta se a riqueza toda é de teu pai? Eu na verdade gosto do homem que está no mundo, desbravando o horizonte infinito, estudando as coisas mais interessantes do mundo, e é claro, ganhando dinheiro, para quando ele chegar em casa, gastar comigo, não porque sou interesseira, mas porque eu amo a força de homens bem sucedidos. E esse “bem sucedido” não é necessariamente ser “rico”, mas enriquecer-se todos os dias, com dinheiro, virtude, força e interesse. Me desculpe a sinceridade, mas você não tem nenhuma dessas coisas. Sem contar o seu desprezo à minha pessoa. Compreendo se você estiver ocupado com as coisas do mundo, mas sei também que quando se ama uma pessoa, tornamo-nos um pouco um do outro, assim como disse Camões “transforma-se o amador na coisa amada”, e sei que não sou a coisa amada. A única coisa que tu deveria fazer era mostrar que se preocupava comigo, me ligar ou mandar uma mensagem, porra! Mas você acorda tarde, não trabalha, vive na academia, ou seja, tem muito tempo, não só para mim, mas para “desbravar o horizonte”. Espero que acorde para a vida, e compreenda que ela não é só brincadeira, mas é um constante amadurecimento, viu? Fica na paz Marco. Seja Feliz. Adeus!

Atenciosamente Cristina.

 -- A mensagem está perfeita Cristina. Mas vou lhe dizer uma coisa: “eu avisei”.

 -- Eu sei amigo, eu precisava quebrar a cara.

 -- Eu compreendo, eu sabia que não seria qualquer homem que poderia lhe fazer feliz. Mas me responda: você deu pra ele?

-- Safado! É claro que não. Eu sabia que era furada.

 -- Então tá tudo certo!

 -- E você, amigo? Como anda o namoro?

 -- Ela terminou comigo.

 -- Como assim? Você é a pessoa mais inteligente que eu conheço, o que deu nela?

 -- Bom, ela disse que eu só vivo trabalhando e estudando, enfim, eis aqui a mensagem que recebi pela manhã:

-- Oi Sandro? Quero te dizer que o problema não é você, sou eu. Você é muito fofo. Mas não vai dar mais. Não suporto o teu machismo; nunca vi um homem que não quer dividir a conta com a mulher quando saem juntos; e, ao aproximar-se do carro, abre a porta com ares de superioridade iguais aos seus. Não sei se você sabe, mas vivemos em um mundo de igualdade, onde as pessoas podem ser o que quiserem ser. Por que você quer ser sempre o “macho alfa”? Nunca vi você chorar. Sempre quis lhe abraçar por trás, e você sempre recusava. Do que você tem medo? Por acaso você ainda está dentro do armário? Você é tão diferente das minha amigas; me afastei de todas elas só para encontrar em você aquilo que elas tinham e faziam a mim: chapear meus cabelos, pintar as minhas unhas, ouvir as minhas fofocas; cara em que mundo você vive? Te ligo quando está no trabalho, e você não me atende…

-- Chega Cristina, eu não vou continuar lendo essa merda!

 -- Está triste amigo?

-- Não, como poderia ficar? Não está vendo? Essa mulher é louca.

 -- Eu não tinha lhe avisado?

 -- Tinha, porém eu precisava quebrar a cara.

 -- Continua, amigo!

 -- Está bem.

                    Qual o problema de atender um telefonema? Para que tanta submissão a essa sociedade Burguesa e capitalista? Mas enfim, tudo o que passamos nesses cinco dias de namoro…

                  -- Ah! Puta merda! Vou ler mais não. Cristina estava com os olhos cheios de lágrimas, rindo de meu surto de indignação, mas, pediu-me para continuar a leitura.

-- Não, já chega!

-- Continue, lindo!

-- Você nunca mais me chamou assim -- respondi surpreso.

-- Me desculpe, às vezes sinto como se fosse antes. Mas chega dessa conversa, continue.

             Não consigo compreender do porque você se refere ao cristianismo como a única religião verdadeira do mundo. Nunca vi tanta intolerância religiosa. E a umbanda, o espiritismo, o Seicho no-ie? Não podem sustentar uma civilização? Preconceituoso! Espero que um dia você acorde para vida, e saia desse fundamentalismo tosco. Beijos!

Atenciosamente, Sara!

                   Aproximei-me dela, depois de ter terminado aquela porcaria de mensagem, e disse a Cristina:

-- Você sempre foi única.

-- Eu não falaria se você não falasse primeiro, você é único.

-- Jamais te deixarei de novo.

-- Eu também.

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Anthony Lima
Escrito por:
Anthony Lima
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 12 de Fevereiro de 2019

Já foi visto 152 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


152
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor