Portal Escritores

Comentário critico sobre a palestra do professor Carlos Alberto Faraco.


As colocações do doutor Faraco & moura na palestra sob o título “ Português do Brasil:a construção da norma culta e as práticas de ensino”. Faz-nos refletir a respeito de nossa prática pedagógica e nossa atuação em sala e o ensino de língua materna.
Em suas observações, o professor, afirma que estamos ainda contribuindo através do ensino com uma “norma” que não é real e sim ideal baseada em preceitos e/ou preconceito oriundo do período colonial, quando houve uma imposição da língua européia em nosso país, no qual, instauro-se um auto-preconceito com o próprio falar e suas variações.
Embora, vivenciando uma era de novas reflexões lingüísticas. Não temos avançado no ensino-aprendizagem de língua, pois o nosso entendimento a respeito da mesma é pautado em generalizações, logo a mesma continua mal entendida, mal conhecido e mal conhecido.
Destarte, o ensino de língua portuguesa deve buscar refletir nossa realidade lingüística. E devemos situá-la em patamar mínimo de racionalidades. Já que instituições como ABL ( Academia Brasileira de Letras) que sustenta a tese de que as variações lingüísticas não deveria fazer parte do currículo de ensino. Descaracterizando o português do Brasil.
Apesar de ter ocorrido algumas razoáveis mudanças no pensar e fazer o ensino de língua no Brasil. ainda predomina uma concepção tradicional estruturado na cultura do certo e do errado, quando na verdade deveríamos relativizar esses conceitos.
Já, os livros didáticos têm trabalhado questões de variações lingüísticas de forma superficial. Também, os sistemas de avaliações não foram além da superficialidade. O Enem, por exemplo, tem a norma padrão como grande objetivo.
Para mudar essas posturas é preciso romper o paradigma de que a norma é algo pronto, ou seja, fala-se dela como se não houvesse nenhuma dúvida como algo que não carece reflexão.
Para isso, é preciso redesenhar a formação dos professores de Língua Materna, para que haja uma reestruturação do ensino , rompendo com a visão retrógada de uma língua idealizada e não real, que desconsidera sua dinâmica socioeconômica e social, fazendo perpetuar um ensino estéril que ao invés de incluir os indivíduos marginalizados, favorece sua exclusão daqueles que promovem suas maiores transformação- o povo brasileiro!









Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Maria Alice Santos
Escrito por:
Maria Alice Santos
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 21 de Julho de 2019

Já foi visto 166 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Trab. Academicos


167
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Textos do Mesmo Autor
Biografia Isabel Maria da Silva,

Por Maria Alice Santos

Erros ortográficos!

Por Maria Alice Santos

DIGLOSSIA

Por Maria Alice Santos

aprender

Por Maria Alice Santos