Portal Escritores

Brasil, o teu olhar.

Poderia eu, por ventura tentar descrever
teus majestosos mares e grandes céus,
mas não teria competência para dizer
no mesmo timbre e beleza que "você".

 

Terra amada, todos meus versos são para ti todos te esquecem, mas no meu cantigo poético, tento resgatar as lembranças e fazer-te sorrir.
A cultura e costumes mais belos, todos estão aqui.

 

Cântico,
Não desejo um poema monótono e sem cor,
Pois até o rosto de teu povo é colorido
De suor, luta, trabalho esforço e amor;
Teus deuses são os mais belos, esquecidos no tempo.

 

Parem de olhar para fora, analisem o interior, porque desvaloriza o "nosso" e ver apenas o exterior?
- Será mesmo que tua terra não tem valor?
  Abram os olhos a riqueza só existe se o dono demonstrar.

 

Músicas, poemas, poesia, danças, folclore, esculturas, bandeiras, cor, movimentos históricos,deuses, mitos, tudo isso faz parte de mim, de ti e por mais que tentem apagar sempre irá fazer parte da tua história.

 

Perdoe-me terra minha, esses pequenos versos em preto e branco é tudo que tenho,
é tudo que posso e tudo que de fato sou.
Te ofereço meu patriotismo e sincero amor, apenas em troca deixe-me te respirar até o meu último momento teu doce sabor.

 

Autor: Arthur Omena
Obs: Todos os direitos reservados
Data: 25/03/2018

 















Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Arthur Omena
Escrito por:
Arthur Omena
Outros

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 23 de Julho de 2019

Já foi visto 58 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


58
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Restos de Palhaço

Por Brenda Barreto

Soneto do poder dizer

Por Leonardo Jordão

Vida

Por AdrianoRockSilva

BOLA

Por Lucélia Pontes

Índio

Por Brenda Barreto