Portal Escritores

Alado, porém estigmatizado.

 

Já passava e muito das 23:00hs, Felipe estava no seu quarto sentado diante do computador quando um ser alado entrou voando pela janela aberta à suas costas, circulou ao redor agitando as asas e chocando-se contra as paredes enquanto tentava se agarrar em algum lugar, ao passar sob a lâmpada acesa interceptou a luz e lançou uma sombra negra como rastro. Quando a sombra atravessou o monitor feito um espectro sinistro e ameaçador, Felipe assustou-se e virou o corpo pra ver o animal adejando acima dos móveis; isso se deu justo no momento em que o bicho descia batendo as asas até bem próximo da sua cabeça. Sem nenhum exagero de tão grande o animal parecia um morcego. Receoso de sofrer um ataque repentino o rapaz tombou para o lado e ergueu o braço dobrado pra se defender e, ao mesmo tempo, proteger o rosto. Acompanhando o ser alado perfazendo o círculo não foi difícil identificar a enorme mariposa no seu lindo tom de preto azulado. Como esses invertebrados são inofensivos independentemente do seu tamanho, ele ignorou a borboletona - imaginando que ela fosse sair exatamente por onde entrou e sem a necessidade da sua ajuda - e voltou sua atenção pro computador. Mesmo ligado na tela ele percebeu que o rastro obscuro ainda girou pelo ambiente mais duas ou três vezes antes de desaparecer. O sono não demorou e, logo, a janela estava fechada, o computador desligado, a luz no quarto apagada e o nobre, ressonando.

Ainda não era meia-noite, no bairro adjacente, quando o seu José, pai do Felipe, passou mal e foi socorrido pelo filho mais novo; deu entrada às pressas num hospital e fora entubado imediatamente. Diziam os médicos: "O estado dele é grave". Seu José ainda lutou bravamente pela vida e contra a morte por mais de 24 horas, até que veio a falecer.

Passados três dias, por volta das 18hs - a inumação do pai aconteceu às 13hs da tarde -, Felipe estava diante do computador e, embora estivesse atento à tela, reparou quando a enorme borboleta negra bateu asas e levantou voo. Surpreso com a sua reaparição ele girou imediatamente a cadeira e acompanhou seus movimentos. Ela contornou o cômodo uma, duas, três vezes voando a meia altura, quando, por fim, transpôs a janela, na maior tranquilidade. Nos três últimos dias ficara de vigília quietinha dentro do quarto fora do alcance das vistas sobre a hélice do ventilador de teto.

                                       - . -

As pessoas fazem uma ligação tão forte das borboletas com a morte, que, por causa do famigerado inseto, Felipe acabou encucado com esse acontecimento. E se perguntava: será verdade que existe essa ligação, ou fiquei apenas impressionado com o tamanho e a cor do bicho? Terá sido um aviso, o qual eu não soube interpretar, e continuo sem saber? Dentre tantos na família, por que foi acontecer justamente comigo? E se outra mariposa me entrar pela janela, o que fazer?

 

Dilucas









Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Dilucas
Escrito por:
Dilucas
Autora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 24 de Julho de 2019

Já foi visto 61 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


61
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
A Feijoada

Por Dilucas

Batman

Por Dilucas

Inaudito

Por Dilucas

Leia essa agora.

Por Dilucas

O Edu e a Dani

Por Dilucas

Textos do Mesmo Autor
Partiu.

Por Dilucas

Sucesso trágico.

Por Dilucas

Batman

Por Dilucas

A noite do Digão.

Por Dilucas

Ela se foi de vez

Por Dilucas