Portal Escritores

NÃO SE VÁ SENHOR... PRECISO DE TI


 

Ei senhor,

A velocidade do seu coração não é mais tão acelerada assim?

Não desanime senhor...

Ele está cansado porque sua atuação no teatro da existência foi intensa demais.

É demais para um só coração, senhor.

É demais para um só coração.

E o senhor...

E o senhor... Aguentou até esta hora.

Não é a vida que é cruel, a hora é que não é tão boa assim.

A gente diz: o que sabe um relógio?

Ah, senhor! Um relógio sabe tantas coisas!

Sabe quando vamos nascer...

Sabe o quanto iremos viver...

Sabes até quando vamos morrer...

Quem diria senhor, que seu forte coração enfraqueceria agora?

O relógio senhor... A hora senhor... A hora.

Esta maldita hora que arremessou flechas em seu coração.

Sei que flechas lhe percorreram aí vida afora como prova de que você anguenta.

Mas agora você sabe que não é prova alguma.

É apenas a hora...

E como a vida, não é lentamente que ela se aproxima.

Ela se aproxima rápida, com sede, a procura de você, senhor!

Você sabe senhor que agora é a sua hora.

E sabe também que correr, não há como.

Também, suas pernas não te aguentam, como correr?

Do que reclama? Viveu tão bem, com tuas vacas gordas sem fases de sete anos.

Lamenta por deixar um filho e dois netos?

Não lamente por isso.

É sua continuidade senhor...

Lamente por não poder ver seus lindos bisnetos, que não nasceram, mas que sabe que serão lindos.

Genética.

Oh! Pobre senhor, não há tempo de recordar sua vida de mágoas e vitórias... Que grandes vitórias!

Não poderá mais contar historinhas para seus netinhos agora já crescidos senhor.

Não lamente senhor...

Não lamente...

É a hora! É a vida...

Breves e cruéis.

Deixam-nos saudades.

E já deixam-nos, lá na casa dos sessenta.

Onde não se sabe a que casa mais chegará.

Na verdade, se estamos na casa dos vinte nem sabemos a que casa chegará ao final.

É senhor, a jovialidade também tem saudades.

Eu por exemplo, com idade de ser sua neta, tendo 17 anos, tenho saudade dos meus quinze.

Quem me dera os meus quinze anos de volta...

Adolescente assim eu seria.

Daqui a uns dias senhor, serei uma jovem adulta, mas e daí?

Que diferença faz os 17 dos 18 anos?

Não estou lamentando senhor, estou somente refletindo o círculo da vida.

Senhor?

Senhor?

Senhor?

Acorda senhor!

Sai desta cadeira senhor!

Não me deixa te balançar tanto assim senhor!

Não me deixa assim aos prantos!

Não se vá!

Eu quero tua velhice!

Quero tua inocência!

Não se vá senhor!

O mundo é tão mundano para viver sem ti senhor...

É tão mundano...

É tão mundano e precisa de ti, senhor...

Mariane Rodrigues.

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Mariane Rodrigues
Escrito por:
Mariane Rodrigues
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 12 de Agosto de 2010

Atualizado em 24 de Outubro de 2015

Já foi visto 1,390 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


1,375
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
O vazio

Por Ana Gomes

Latente

Por Ícaro Shandó

Amor

Por Cicero Domingos

Vida Varonil

Por Emerson Kennedy

Deita aqui

Por Iara P.Vilela

Textos do Mesmo Autor