Portal Escritores

O Panfleteiro

Às vezes penso que os estudos, alta cultura e etc. não me levará a lugar nenhum aqui no Brasil, então o diabo me vem com a proposta de me fazer rei do gado. Ele diz:
Vá, meu querido, faça parte daquele grupinho de garotos descolados, tire fotozinhas na frente do espelho e faça academia só para pegar garotas!
Porém, resisto ferozmente. Mas o peste não desiste:
Vá, meu querido, comece a exibir o seu diploma para mostrar superioridade, garanto-lhe que nada disso te fará mal.
Levanto-me da cama, e ligo o computador. A idéia é tentar entender as raízes do gnosticismo e as suas consequências no mundo moderno. Depois, ler Yeats ou Eliot, talvez. E quem é que me aparece de repente? Ele mesmo:
Tem certeza que esse estudo é bom pra você? Talvez isto nem na moda esteja; já ouviu falar dos quatro temperamentos? Se não, comece a estudar, você pode ganhar uma boa grana com isso.
Desliguei o computador, desanimado; mau consegui estudar. Preciso trabalhar, já está na hora.
Debaixo do sol, aonde o que mais se vê é vaidade, observava os rostos dos transeuntes; alguns nem olhavam para minha cara, porém outros, aceitavam de bom grado os meus tímidos olhares. Estendia a mão para dar-lhes um panfleto, e ao andar pelo menos uns 10 metros, eu via-os rasgar o papel sem ao menos ler o conteúdo. Eu me sentia digno de certa forma, honrado, pois naquele mesmo dia o dinheiro do serviço estaria em minha conta bancária. Que beleza! Saindo de lá, passaria num barzinho para tomar duas cervejas discretamente – sem a esposa saber, é claro.
Já não era tarde! e o diabo veio tagarelar no meu ouvido:
Que calor né, querido? Imagine se o Robson passa, por coincidência, aqui neste ponto? Você gostaria que o seu amigo da universidade lhe visse aqui, entregando esses panfletos? Olhe para multidão por um instante: todos querem a mesma coisa, todos querem o mesmo lado da moeda, o mesmo valor. Aceite minha moeda, caríssimo! De onde vem essa tem tantas outras; de onde eu venho tem tantos outros; no entanto são todos iguais, tão iguais que só tenho olhos para você. Vem…
Então, o detive em pensamento, aprisionei-o em minha própria vontade, e lhe respondi:
Torno-me igual aos outros, deixo as minhas particularidades de lado e aceito a tua moeda. Na semana seguinte me desfaço, furo a orelha, seguro a bandeira do PT, deixo a barba crescer como um bárbaro, mudo a alimentação radicalmente e passo a frequentar lugares caros sem um puto no bolso. Depois de tudo isso, você me abandona, e eu, clamarei por tua atenção, e você, não irá me ouvir. Bom, deixe-me aqui, se quiser voltar mais tarde para tentar me convencer, fique à vontade.

 


Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Éverton Messias
Escrito por:
Éverton Messias
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 02 de Outubro de 2019

Atualizado em 07 de Outubro de 2019

Já foi visto 27 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


27
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Demissão à Caridade

Por Éverton Messias

Acordar

Por Anobelino Martins

Curiosidades de Liberdade Minas Gerais.

Por Escritor Leandro Campos Alves

A Voz da Vocação

Por William Torquato

Textos do Mesmo Autor
Razão Incerta

Por Éverton Messias

Demissão à Caridade

Por Éverton Messias

NÃO CAIAM NA CILADA DO DIABO

Por Éverton Messias