Portal Escritores

DOCES RECORDAÇÕES


Hoje me acordei com lindas e doces recordações.

Então me veio à lembrança de 32 anos atrás,

De um bom e sublime momento que passou em nossas vidas.

Na praia Pontal, em um clube,

O quanto dançamos pela primeira vez.

Foi lindo, foi maravilhoso, foi divino!

Foi uma noite sem igual...

Foi o nosso primeiro contato.

Você como uma pluma leve e solta,

Bailando ao som da música que tocava,

Em meus braços toda feliz, com os olhos a brilhar.

Mãos trêmulas e coração a palpitar.

Aquele momento sim, foi um momento singular.

Marcava o primeiro de muitos,

E muitos momentos de nossas vidas amorosas.

Foi mágico, foi esplêndido, foi  fantástico!

Foi em uma linda noite de primavera,

O início do nosso amor.

Eu radiante e muito confiante,

Você segura de si, imperiosa, e dominante,

Mas muito bela.

Trajando um lindo vestido vermelho de princesa,

Parecendo uma Cinderela. 

Eu estava muito alegre

E fiquei muito feliz com você a dançar,

Como em um sonho,

Despreocupado da vida, sem querer me acordar.

Que noite, aquela noite...!

Que loucura que fiz,  já embriagado pela bebida que bebia.

Tirando você dos braços do meu amigo,

E mais embriagado fiquei,

Pela exuberante beleza que em ti via.

Brotou em mim naquele momento,

Um forte, impulsivo e instintivo sentimento,

No desejo desvairado de te amar.

Eu dançando e rogando a Deus para aquela música não terminar.

Mas como o tempo é fiel e não para,

Aquela noite passou tão depressa...

Minha musa, minha deusa, minha doce e amada Cinderela.

É verdade, que recordação, que saudade!

Aquela noite passou tão depressa como a luz do luar,

A galopes, e sem sentimentos,

Montada em um vento violento.

Que dor no meu peito,

Que vazio, que tormento!

Mas minha princesa,

Mulher amada e desejada, flor do meu jardim.

Para minha surpresa e alegria,

A esperança de te ter renascia.

Eu não lembrava, na verdade não sabia,

Que habitavas perto de mim.

E assim, pouco a pouco te conhecia.

Mas por permissão de Deus o nosso amor crescia.

Assim, os dias, e as horas conspiravam ao nosso favor. 

Como um anjo de Deus ou um cupido, alimentando o nosso amor.

Como em um conto de fadas, todos os dias eu te via.

E a noite em minha cama antes de dormir,

Eu orava, eu rezava,

Pedindo a Deus, que por misericórdia, e bondade,

Me fizesse esta caridade,

Que desse você para mim.

Para vivermos nesta terra um grande e verdadeiro amor.

Em uma ternura sem fim,

Eu em você e você em mim.

Obrigado, oh Deus, por conceder esta graça a mim!

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Antonio Batista
Escrito por:
Antonio Batista
Autor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 20 de Janeiro de 2020

Já foi visto 91 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Crônicas


91
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
A cada dia amo mais

Por José Maria Amaranto

ELA É TUDO QUE EU PRECISO

Por Cícero Manoel

" Mãos dadas ''

Por Cicero Domingos

Escambo

Por Emanuel Galvão

O PEDAL DA CICLOVIDA

Por Andre Pinto