9º Encontro dos Escritores
Portal Escritores

Pompéia


Não foram mentiras, Antonella, foram verdades daquele mês.
Me desculpe caso queira me matar desta vez. Eu até compreendo
que ninguém atura alguém que cumpre todas as leis.

É minha cidade de giz, que com meu choro se desfez. Mas tu és Rainha
de Gelo, seu castelo glacial congela todas lágrimas em seu coração.                                                                          Você se afoga dentro de si mesma e nem é por ser intensa, por ser imensa.                                                                    É apenas para manter a postura, postura de um iceberg. Porém eu sou Titanic.

Não te mostrarei mais minhas cartas -
aquela era confusa e barata. Porém,
gostaria de te escrever assim: ''Ou tu me amas, ou tu me matas''. Contudo,
é confuso demais para uma estrela pirata.
Talvez nem te mostrarei mais poemas,
já que tu diz que tenho muitos problemas
comigo e com dilemas.

Ah, ó patética alma de cinema, por que
ainda pensastes em Atenas? Não vê que é
só mais uma estratégia apenas? Você
é ninguém mais, ninguém menos que
uma insignificância pequena.














Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Internauta
Escrito por:
Internauta
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 24 de Junho de 2020

Atualizado em 24 de Junho de 2020

Já foi visto 70 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


70
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Antes Que Meu Coração Pare

Por Emanuel Galvão

FORJADOS NO AMOR

Por Andre Pinto

Viver, viver, viver

Por Paulo C Freire

Pessoas imperfeitas

Por Graçinha Barbosa

Textos do Mesmo Autor
Diga-me quem

Por Internauta