DEZ SONETOS INDIGNADOS

Antonio Costta Antonio Costta 28 de Junho de 2020
28 de Junho de 2020

A INGRATIDÃO DA HUMANIDADE
A ingratidão, meu Deus, esta pantera
Que habita o coração da humanidade,
Ignorando o amor e tua bondade,
Chamando-te até mesmo de quimera!

A ingratidão, meu Deus, no mundo impera.
Fazer o bem parece iniquidade!
O agradecimento é leviandade,
Sempre da parte de quem não se espera!...

É contumaz, meu Deus, homens ingratos,
Comer teu pão, depois cuspir nos pratos,
Ignorando o amor com que fizeste!...

E se lhes pede comida, um faminto,
Ignoram o pobre no recinto,
Negando repartir do que lhes deste!...


QUEM NEGA PÃO AO FAMINTO

Quem nega pão ao faminto,
tendo de sobra na mesa,
perdeu-se num labirinto
de nebulosa avareza!

Quem nega pão ao faminto,
no deleitar da riqueza,
seu coração absinto
é de gigante pobreza!

Quem jamais partilha o pão,
quem nunca estende sua mão
para outra mão estendida,

pensa ser sábio sem ser,
como é pobre seu viver!
É miserável sua vida!


SONETO DA INDIFERENÇA

É triste ver a sentença
do gesto vil da omissão,
de quem presa a indiferença
trancando seu coração.

É triste ouvir a clemência
do pobre que estende a mão
ao rico sem complacência
que vocifera seu NÃO!

Meu Senhor como é tão triste
a cena que inda persiste
entre nós, povo cristão...

Pregamos amor, bondade,
união, fraternidade,
mas tão pouca é nossa ação!


A INDIFERENÇA PERSUADIU A HUMANIDADE

A indiferença persuadiu a humanidade,
Infelizmente conquistou a maioria
Até dos religiosos que, com a alma fria,
Vivem nos templos fingindo ter caridade!

Mas a oração sem a ação porventura há de
Alimentar algum faminto neste dia?
Esse gesto não será uma hipocrisia?
Ter condições e não fazer a caridade!

A indiferença como tem sabor amargo!
Como machuca quando alguém passa de largo,
Acreditando que Jesus não tem lhe visto...

Quem age assim, indiferente à dor do irmão,
Como dará bom testemunho de cristão?
Como será um seguidor de Jesus Cristo?...


SOLIDARIEDADE

Há tanta gente carente pela rua,
Tanta gente mendigando o próprio pão;
Não viva só de glória a Deus e aleluia...
De que adianta a oração sem a ação?

Há tanta gente dormindo no sereno
Necessitando de agasalho e colchão;
Há tantos órfãos, também tantas viúvas...
Meu amado sinta a dor do teu irmão!

Glorifique do Senhor Seu santo nome,
Dê carinho e também pão a quem tem fome
Que terás a recompensa lá no fim.

Foi Jesus Cristo quem deixou este ensino:
Quem ajudar a um desses pequeninos
Na verdade está fazendo para mim!


ESTENDE AS TUAS MÃOS

Estende as tuas mãos aos necessitados,
Aos que passam por grandes provações;
Pois saiba que nos Céus são registrados
Todo bem que fizerdes - tuas ações...

Estende as tuas mãos aos desabrigados,
Aos que passam nas ruas suas aflições;
Aos que pedem um pão, desesperados,
E mendigam afeto aos corações!...

Atentai p'ra sua dor, para os seus gritos,
E estende as tuas mãos para os aflitos,
Que carecem de amor, felicidade...

Recolher as tuas mãos é grande risco,
Pois quem sabe o pedinte é Jesus Cristo,
Disfarçado, pra provar tua caridade!...


A FALSIDADE DESTE MUNDO

Neste mundo é tamanha a falsidade
Que a verdade, de repente, ocultou-se;
A mentira transformou-se em verdade
E a verdade, em mentira, transformou-se!

Porventura alguém sabe onde a verdade
Neste mundo hodierno extraviou-se?
Em que parte do planeta a bondade
Inda não, em maldade, adulterou-se?

Oh Senhor, nos livrai da falsidade!
Que opera neste mundo de maldade,
Da forma mais arguta e traiçoeira...

Pois no mundo a maldade não se espira:
A verdade transformou-se em mentira
E a mentira - em verdade verdadeira!


FALSIDADE

Falsidade, fator de rima fácil
Facilmente encontrado todo dia;
Quer seja na nobreza, em modo grácil,
Ou nos servos da noite nua e fria.

Falsidade, palavra que associa
A calúnia, a mentira e a perdição.
Falsidade, o que Judas fez um dia,
Contra Cristo, ao tramar a traição!

É triste praticar a falsidade
Contra quem nos amou com lealdade
E nunca nos deixou sofrendo a esmo...

Ensinando pra toda humanidade
Que amassem uns aos outros de verdade,
Da maneira que amamos a nós mesmos!


NEM TUDO QUE RELUZ É OURO OU PRATA

Nem tudo nesta vida nos convém,
Paulo escreve deixando bem explícito:
"Tudo é bom, mas nem tudo nos é lícito",
Provai tudo, mas só retende o bem!

Precisamos enxergar mais além,
Há espinhos nas flores do jardim;
O mundo se camufla para mim...
Porque nem todo abraço amor contém!

Preciso de Jesus na minha vida,
Pois o caminho é estreito e tem subida,
E não posso abandonar minha cruz...

Pois a vida a cada dia nos retrata:
Nem tudo que reluz é ouro ou prata...
E só existe uma esperança: é JESUS!


MÃE DE VERDADE NÃO FOGE DA GUERRA

Mãe de verdade não entra de férias,
Não deixa seu filho a esmo na rua,
Com amor e com zelo cuida da sua
Cria - sangue do sangue de suas artérias.

Mãe de verdade ela enfrenta as misérias
Pra que seu filho também usufrua
De pão, saúde, na vida tão crua,
E de educação, em meio às pilhérias.

Mãe de verdade motiva seu filho
Temer ao Senhor, a seguir o trilho
Do caminho de Cristo, aqui na terra.

Tem fé e esperança, na sua bagagem,
Tem amor, tem garra, muita coragem!
Mãe de verdade não foge da guerra!

- Antonio Costta

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao user original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Denuncie conteúdo abusivo
Antonio Costta ESCRITO POR Antonio Costta Escritor
Itabaiana - PB

Membro desde Maio de 2016

Comentários

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login