Tema Acessibilidade

Demasiado Lirismo

Ecoa, coração latente, ecoa!
Deixe a minh'alma se libertar
das amarras da desilusão.
Não emudeça a nossa flama à toa,
pois há demasiado lirismo na comoção.
Tal qual uma andarilha insaciável,
eu tenho estado a versejar o meu viver.
É inútil driblar o inevitável, tu bem sabes.
O receio torna mais árduo se desprender.
Os dias escorrem ante as frestas dos teus olhos,
e o que tu farás se a vida abruptamente cessar?
Existir sem porquê certamente é lamentável;
então, pergunto-lhe: por que se negas a ousar?

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados ao autor. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
0
66 visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Jeane Tertuliano ESCRITO POR Jeane Tertuliano Escritora
Campo Alegre - AL

Membro desde Agosto de 2020

Comentários