Tema Acessibilidade

A menina que roubava livros

• Atualizado

De Markus Zusak -"A menina que roubava livros" - 2014

O menino depois de haver se pintado de preto querendo se passsar por um famoso atleta, corredor negro da época, o seu pai ao dár-lhe um banho depois de repreendido pelo diretor da escola, o questiona: "filho, porque você se pintou de preto? inocentemente o menino com o rosto ainda colorido de tinta preta, lhe responde: - porque eu queria ser como o corredor mais veloz do mundo, pápa. Seu preconceituoso pai, ardendo em ira e indignado com a atitude de seu filho, lhe repreende: "filho, nunca queira ser um negro". [Puro preconceito racial]. A salvação nesse script vem em seguida quando num breve diálogo de Liesel [protagonista] com seu fiel e embaraçado, desajeitado, desastroso, apaixonado e brincalhão amiguinho no que diz: "- o beijo? - pergunta ela. O beijo faz a diferença; conclui".

- É isso, que contraste!

Num breve e teatral gemido grego, a ponto de encher os olhos às medéias renascentistas, digo eu: "Enqto muitos rejeitam, outros beijam"

"Esta é a diferença entre nós e monte de barro; as palavras".

Literatura faz parte, alivia a alma, enobrece o nosso ser e encanta os olhos do céus; brilha as noite sombrias e floresce o nascer do sol.

Como disse os finados Rubens Fonseca "a literatura nos ensina a convivermos melhor com as pessoas que estão a nossa volta" e Abujamra ainda no que diz: "pode não ser uma janela aberta para o mundo, mas certamente é um periscópio sobre o oceano do social".

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados ao autor. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
0
±100 visualizações •
Atualizado em
Denuncie conteúdo abusivo
Iraldir Fagundes ESCRITO POR Iraldir Fagundes Escritor
-

Membro desde Setembro de 2020

Comentários