Tema Acessibilidade

Como pode

Como pode?

Chove lá fora e aqui, tá tanto frio. Me dá vontade de saber... As nuvens são negras e não param de chorar; parecem não ter fim. Olho a minha volta e vejo como que um paredão prestes a ruir, tamanha negritude e gotas inflamadas pela dor. Como pode? Pergunto eu. Como pode? - Há uma cortina em vertical que nunca se encolhe, é como que no palco encantado dos sonhos não houvesse espaço para o fantastico reino da vida. Como pode? Vejo apenas uma nuvem negra a chorar a gota solitária da alma, dizia eu. Cheguei a contá-las. Contei uma, duas, fui até a terceira, não, exagerei um pouco, fui até a quarta, mas no final percebí que havia apenas uma. Eu refiz a contagem. Pensei, pode ser que eu tenha enganado. Refiz uma vez. Refiz outra vez. Vi que não passava disso; de fato, apenas uma gota de lágrima descia da nuvem negra. Lembrei-me de uma antiga canção de Lobão - Me chama - "Chove lá fora e aqui, tá tanto frio - me dá vontade de saber...". Era ela, a gota solitária.

"A Poesia está na alma do poeta; a Poesia é viva".

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados ao autor. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
0
±100 visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Iraldir Fagundes ESCRITO POR Iraldir Fagundes Escritor
-

Membro desde Setembro de 2020

Comentários