Tema Acessibilidade

Estranhos dentro de Casa

• Atualizado
Capítulo: Nuvens Cinzentas. Vidas Pausadas.( Parte 1)
O dia amanheceu lindo, colorido e alegre pois era o dia em que ela completava 7 anos de namoro com ele: seu amor, amante, amigo e parceiro para todos os momentos. Ele era tudo isso e mais e juntos eram a sintonia perfeita dentro de uma música. Todos os dias compartilhavam alegrias, palavras, sonhos, surpresas, às vezes tristezas e algumas dificuldades, mas sempre eram o complemento e o sinônimo do outro. Com eles não tinham advérbios de dúvidas, era tudo posto as claras, simples sem hesitação. Dentre inúmeras definições que o Amor exprimia de Cláudia e Luís era impressionante ver como eles se encaixavam em todas, de maneira que quando estão juntos o que eles conseguiam transmitir é um levitar de emoções, um suspirar de paixões, um brilho de alegria e no sorriso sempre uma poesia.
O Amor deles era assim: sereno, onde só se escutava o barulho das águas do mar quando eles fechavam os olhos mas ao mesmo tempo era intenso e louco, onde o desejo era insaciável e a vontade de querer mais era inexplicável, mas quando chegava a esse nível de profundidade eles queriam ir rápido demais para não perder nenhum momento, mas era justamente aí que eles se perdiam, se confundiam, só que minutos depois eles se reencontravam e se reconectavam, e ficavam plenos contemplando a beleza do outro por horas.
No dia seguinte pela manhã eles foram surpreendidos por uma transformação...
Ninguém sabe ou viu o que aconteceu, apenas que houve uma mudança estranha em suas vidas. Claudia e Luís acordaram do lado do outro sem saber quem eram e onde estavam. Simplesmente um bloqueio total de suas memórias. Eles não conseguiam lembrar de nada. Era como se tivessem tido um apagão em suas mentes, memórias fotográficas eles não conseguiam reter, já momentos vividos no passado vinham por meio de fleches, mas era só por alguns minutos, era aí que a cabeça deles rodava rápido, isso fazia os corpos deles cansaram mais. Era mais ou menos assim: a carga de seus corpos pesavam muito quando a mente deles trabalhava em múltiplas lembranças e isso os deixava dormentes e com sono. Será que tinha alguém no meio disso ou simplesmente eles estavam em negação por um passado conturbado e isso os estava afetando suas cabeças? O que estava acontecendo? As respostas para essas perguntas ainda era uma incógnita, poderíamos afirmar o que os definiam nesse estado presente: suas lembranças, mas com elas desordenadas eles perdiam a noção de si e de tudo ao redor. Precisavam relembrar para poder voltarem ao normal e assim recuperarem o sentido.
Mas essa agonia de tentar forçar a mente para lembrar os acontecimentos era tão grande que eles já estavam ficando fracos, sem força. E se algo se apoderarem de seus corpos e os transformassem em seres esquecidos de sua própria existência? Em que poderia resultar ? Até onde isso os levaria? Como saber dessa indagação se isso não é presente e nem futuro, é só um talvez indeterminado? Resta-nos ficarmos somente com essa suposição.... mas se tratando de seus sentimentos, o resultado foi esse: todas as emoções alegres que faziam parte deles foram tirados e deram lugar a uma coisa poderosa que agora faziam eles surtarem e os deixavam incontroláveis gerando raiva, vazio, tristeza e ansiedade, mudando assim sua forma de pensar e agir.
O que fazer então? Para onde ir? As perguntas ficam, mas as respostas permanecem incertas simplesmente porque eles não tinham condição de pedir ajuda pois não sabiam em quem confiar. Cada dia que passava era uma tormenta em suas vidas ficando reféns da própria loucura que criavam, assim eles se perdiam em meio a uma confusão de palavras, vozes que sussurravam dentro deles: "olhe bem atrás de seus sentimentos". A resposta está lá". Mas como assim atrás de seus sentimentos? É justamente nessa hora que ouvem um zumbido baixinho que vai aumentando o som conforme a confusão mental que suas cabeças trabalhavam. Era simples, alguma coisa estava tirando a paz que ainda existia dentro deles controlando tudo que faziam e pensavam de maneira que eles não tinham domínio mais da situação. Estava tudo descontrolado e fora do normal.
Era noite e apenas o silêncio obscuro de tudo os acalmava, mas ao mesmo tempo os deixava zonzos e pesados, como se fosse um tipo de anestésico, sabe? Mas de dia o temor voltava e começava de novo, e só sentiam dor e medo e cada dia era mais, nunca menos, e nesse círculo de sentimentos negativos contrários ao Amor forte que eles sentiam pelo outro só ia sendo preenchidos por uma chuva de lágrimas infinitas.
Mais um silêncio dentro dos dois, uma breve respiração , uma pausa e pronto, tudo off agora.
(Parte 2) Clareando a Consciência
No dia seguinte uma coisa boa aconteceu, Cláudia não escutava mais as vozes, agora suas lembranças não estavam escuras, porém estavam um pouco embasadas, poderia dizer que dava pra ter uma leve definição de alguma coisa, mas ainda era muito cedo para se chegar a uma conclusão precisa do que se via em sua mente, mas uma coisa era certa, tudo era significado por cores. Então, ela respirou fundo, fechou os olhos e começou a cantar uma música e lentamente pela letra e o som das palavras, ela começou a recordar imagens vividas em momentos de pura felicidade e assim suas lembranças foram voltando ao normal, assim como ela também. O que aconteceu foi que a letra da música e o som das palavras penetraram fundo na alma, lavando e tirando toda aquela aura negativa de dentro dela e transformando seu eu interior em uma força maior que nem ela sabia que poderia existir.
Foi assim que Claudia recuperou sua paz, sua calma, sua vida e suas lembranças mas não conseguia assistir seu amor se deteriorando pela dor mental que gerava nele. Ela conseguiu lembrar que tudo isso era causado por lembranças do passado que faziam eles perderam o sentido das coisas. Mas o que a intrigava era o porquê de ela estar bem, mas Luís não. Não conseguia entender porque o efeito da música fez nela, mas não nele. Tinha alguma coisa errada e precisava descobrir o que era urgentemente antes que fosse tarde demais.
Foi aí que se lembrou do passado....
Quando jovens foram torturados por um grupo de pessoas que tinham um grande poder de fazer com que eles esquecem quem eram e onde estavam. A única coisa que sabiam é que eram invencíveis, nunca estavam em um lugar mais de uma vez. Mostravam-se rápidos, perspicazes e incrivelmente inteligentes, e muito criteriosos na escolha de seus alvos. A teoria que se tinha formada na cabeça de cada um era que eram um pouco de ilusionistas e cientistas ao mesmo tempo e ninguém conseguia pegá-los. Dessa maneira conseguiam controlá-los quem quisesse perto ou longe, não importava a distância. Por isso eram famosos e comumente chamados de Repressores de Lembranças porque assim conseguiam reter as memórias de pessoas com uma pequena dose do sangue delas controlando assim todos os passos e ações que estas pessoas fizessem.
Mas porque depois de muito tempo, eles simplesmente deixaram Cláudia livre de tudo? Porque queriam ver até onde o Amor dela por ele iria a ponto de salvá-lo. Na verdade eles estavam ali testando Cláudia e tudo era observado 24 horas por dia através das câmeras na casa dos dois. Eles estavam fazendo isso porque como não tiveram Amor em suas vidas, achavam que através do sofrimento era a forma mais fácil de demonstrar esse sentimento, mas claramente estavam errados, só que não faziam ideia disso.
Muitas vezes Cláudia voava pra longe e suas lembranças a levavam novamente de volta ao passado, mas rapidamente, ela conseguia excluir essas lembranças. Então, respirava fundo, se concentrava e seguia firme encontrando uma forma de o Luís voltar ao normal. Foi aí que resolveu tentar uma nova abordagem com Luís utilizando a música. Mas porque a primeira vez não houve sucesso? Porque ela estava cantando canções voltada só pra ela. Como assim? De alguma maneira, essas canções e letras de música faziam parte só de sua juventude, onde só ela conhecia e gostava. E se ela usasse canções demonstrando seu Amor por ele? Canções que faziam parte da história dos dois, será que daria certo?
Então, Cláudia começou a cantar uma música e rapidamente o som, a letra, a melodia foi surtindo efeito dentro de Luís e ele foi recobrando a consciência e voltando ao seu estado normal. Finalmente, a felicidade pairava sobre os dois.
Agora sim, podemos dizer que viveram felizes para sempre sem interrupções de pessoas querendo o mal deles e com isso perceberam que a força do Amor supera todos os obstáculos.
(Sara Lacerda)
0
±100 visualizações •
Atualizado em
Denuncie conteúdo abusivo
Sara Lacerda ESCRITO POR Sara Lacerda Escritores
-

Membro desde Setembro de 2021

Comentários