Tema Acessibilidade

Paulo Freire e os direitos humanos

Reflexão sobre escrita e educação.
• Atualizado

Quando, na companhia do Pierre e do Maradona, tocamos um jornalzinho na Faculdade de Medicina da USP (éramos funcionários da Biblioteca na década de 1990), o Sr. Fernão, bem mais velho e vivido do que eu, me disse o seguinte: "faça de sua caneta uma espada e lute!"

Era mais que um conselho, era uma finalidade para a escrita, conquanto modesta, de um jovem que desejava ajudar, à sua maneira, a transformar nosso mundo repleto de injustiças sociais, de preconceitos e exclusão, em um lugar melhor para todos.

Nunca me filiei a um partido político, a uma religião ou a uma corrente filosófica, mas, na qualidade de professor de história, sempre fiz o possível para formar cidadãos críticos e solidários, promovendo o debate de ideias por acreditar na tolerância e no respeito pelas diferenças. Jamais me fiei no ódio e na violência como meios de transformação, pois a história, que é mestra da vida, me ensinou que esse tem sido um caminho de atoleiros no qual a humanidade enfia os pés desde sua origem, sem conseguir superar o domínio de uns sobre outros.

Acredito na educação inclusiva e prefiro a sabedoria, que se desenvolve lentamente, à ignorância, que já nasce pronta.

Assim como na docência, tentei fazer de minha escrita um espaço de reflexão crítica, jamais de ódio. Para mim, a espada aludida pelo Sr. Fernão não é um instrumento de morte, mas a lâmina da razão que deve ser manejada com cuidado para desfazer a ignorância que habita em cada um de nós. Em mim inclusive, como é óbvio.

Não nasci escritor, ninguém nasce: com nossos professores aprendemos a ler e a escrever. Alguns de nós sentem que a escrita, mais do que a expressão oral ou outra, se ajusta melhor à sua personalidade, ao seu jeito de ser. Foi o meu caso. Sem pretender atingir a excelência, procuro aprimorar a cada dia esse meio de expressão e, mesmo estando a anos luz de uma escrita plenamente eficaz, fui agraciado com um prêmio literário, do qual resultou a publicação de "Quase Negros", meu primeiro romance. No ano passado publiquei "Obra Maldita" pela Amazon, um romance que, a exemplo do primeiro, discute, junto com os personagens, as contradições sociais e existenciais nas quais estamos encerrados.

Essa a missão de minha escrita, fazer pensar. O primeiro deles, "Quase Negros", tem como pano de fundo a loucura do autoritarismo durante a ditadura militar. O segundo, "Obra Maldita", faz pensar sobre o obscurantismo e o patriarcalismo presentes em nossa sociedade. Ambos recorrem ao sonho como estrada para um mundo melhor.

No entanto, minha escrita não se resume a literatura. Minhas pesquisas no Mestrado e no Doutorado, assim como a atividade docente, me levaram a trilhar outros formatos, por assim dizer teóricos. Além de artigos em revistas especializadas, participei de livros cuja missão, como o de meus romances, é o de fazer pensar.

O último deles discute, sob o olhar de vários pesquisadores, as ideias de Paulo Freire e os Direitos Humanos. Meu capítulo chama-se "Basta (realmente?) de Paulo Freire!", o qual discorre sobre a história e as ideias da "Escola sem partido" à luz da sabedoria freireana. Espero (ou melhor, nós autores esperamos), que o livro faça pensar, e que a reflexão nos ajude a todos a superar a ignorância, para que um dia possamos viver nossas vidas com a sabedoria proposta pelo mestre: com carinho!

Organizado por Renato Polli e César Augusto R. Nunes. Paulo Freire e os direitos humanos!! Edições Brasil.

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
0
±100 visualizações •
Atualizado em
Denuncie conteúdo abusivo
Marcos Alexandre Capellari ESCRITO POR Marcos Alexandre Capellari Escritores
-

Membro desde Outubro de 2020

Comentários


Outros textos de Marcos Alexandre Capellari

Resenhas
Obra Maldita - apresentação
Escrevi Obra Maldita em 2020, no início da Pandemia. Ocorreu-me, então, Beatriz, a narradora protagonista de um enredo futurista no qual as sementes do ódio e dos preconceitos dos nossos dias infelizmente deram frutos. (Editora In House, 2022).
Reflexões
Por quê?
Reflexão sobre as razões pelas quais escrevo.