Portal Escritores

ENADE É OBRIGATÓRIO. TER O DIPLOMA DE JORNALISMO NÃO

Por Jabs Barros

Parecia um domingo normal, como todos os outros. O sol estava escaldante e a única vontade era de ir a alguma praia com amigos para tomar uma gelada. Só que algo me dizia que eu tinha algum compromisso, mas não conseguia lembrar. Até que, do nada, lembrei: era a prova do ENADE. Quem faltasse à prova não receberia seu diploma ao término do curso. Como assim? Para exercer a função de Jornalista não é necessário o diploma, mas sou obrigado a fazer uma prova para a aquisição de um diploma, diploma esse que não tem validade? Agora deu pane em meus neurônios.

Prestes a ingressar no meu oitavo e último período do curso de Jornalismo, em junho de 2009, recebo a notícia que para o exercício da minha profissão, não é mais obrigatório o uso do diploma. E um pusilânime político chamado Gilmar Mendes ainda teve a cara de pau em dizer “o curso (Jornalismo) deve continuar nos moldes de cursos como culinária, moda ou costura”. Apesar de parecer piada, isso é verdade. Desde quando um médico, um sociólogo ou um filósofo são proibidos de usar sua liberdade de expressão? Se o interesse é colaborar, eles têm total liberdade de fazer isso, mas a questão aí é outra.

A queda do diploma traz uma precarização ainda maior das relações trabalhistas na profissão. Tudo não passa de interesses dos grandes meios de comunicação vinculados a muitos políticos. Todo mundo sabe que um diploma não determina se fulano ou sicrano será um bom profissional, mas isso se aplica a todas as áreas. O direito de ter o diploma está bem além do livre pensar, da liberdade de expressão, como tentam justificar aqueles que são contra a obrigatoriedade do mesmo. Não ter o diploma, é perder o direito de ter privilégios, assim como outras profissões; é sentir a desvalorização e não participar do que é justo. É um retrocesso profissional. Essa decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) visa simplesmente favorecer as empresas de comunicação e nada tem a ver com liberdade de expressão ou censura.

Confesso que tentei responder ao questionário do ENADE, mas ao perceber que tudo era muito tendencioso, desisti. Algumas questões queriam mostrar falhas jornalísticas, como se um juiz não errasse numa sentença ou como se um médico não fizesse uma cirurgia errada ou passasse um medicamento não condizente com a enfermidade do paciente. “Errar não é jornalístico, errar é humano.”

Das questões que mais me afligiu, posso citar a que falava do “boimate”, episódio veiculado pela revista veja, e da recente “marolinha”, citada pelo presidente Lula. Qual o intuito da prova? Avaliar se o aluno adquiriu conhecimento suficiente acerca de sua área durante seus anos na Universidade? Ou mostrar que os jornalistas não têm competência para exercer a profissão? O que me parece é que eles estão querendo justificar a queda do diploma com essa prova, afirmando que ter o diploma não isenta o profissional de cometer erros. E não tê-lo exclui essa possibilidade? Todos erram. Aliás, fazer merda é típico de alguns políticos. Ia esquecendo que para ocupar uma cadeira política não é necessário ter uma formação e são esses quem determinam o futuro do país. Puta Sacanagem! Até pra ser gari é exigido o 2º grau completo.

Quando decidi não mais fazer a prova do ENADE, resolvi elaborar um pequeno protesto que, caso não tenha surtido nenhum efeito, pelo menos deixou minha alma lavada. Ao entregar a minha prova, perguntei se eu podia ler as respostas de minhas questões discursivas, mas a fiscal da sala disse que isso não era permitido, mas mesmo assim eu insisti e fui logo dizendo. Os pobres coitados que estavam na sala, após um engarrafamento sem dimensão, um sol de altas temperaturas, em pleno domingão, numa cidade repleta de praias, abdicaram tudo para fazer a tal prova e ainda foram obrigados a me dedicar 1 minuto da atenção. Como não consegui pegar as perguntas ainda, deixo apenas as minhas respostas. Não posso dizer que estão iguais, pois como saí antes, não trouxe o caderno, mas tentarei expor o que fiz:

QUESTÃO 09:

Por que é obrigatório fazer essa prova, se pra ser jornalista não é obrigado ter o diploma? (Nesse momento todos riram. O ENADE me fez uma pergunta e respondi com outra pergunta).


QUESTÃO 10:

Isso não é uma piada. (Essa foi pra quebrar o clima de brincadeira).


QUESTÃO 38:

Eu sei que isso é jogada política. (Silêncio total).


QUESTÃO 39:

Ter ou não ter o diploma? Eis a questão. (Essa é velha!)


QUESTÃO 40:

Qual a motivação em fazer uma prova para aquisição de um diploma, quando se aprova uma lei de não obrigatoriedade do mesmo? (Finalmente respondi algo).

Nenhuma!


Após assinar a lista, saí tão leve e bem melhor comigo mesmo, que nem lembrei da minha sede e muito menos que queria ir ao banheiro. Isso é terapêutico. Preciso fazer mais vezes.

Por Jabs Barros











































Comentários

Daniel Lima
Daniel Lima 05 de Maio de 2010 às 04:01

Realmente, não sei a causa desse ENADE ser obrigatório, não vejo necesidade.
Eu gostei de como você abordou o ENADE com a crítica ao diploma de jornalista que foi desvalorizado. É uma pena, mas é a realidade.
Abraço.

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Jabs Barros
Escrito por:
Jabs Barros
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 28 de Abril de 2010

Já foi visto 1,495 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Artigos


1,486
Leram
0
Vão ler

Textos do Mesmo Autor
Tim Tiririm Tintim

Por Jabs Barros

Bate na Lata

Por Jabs Barros

ALIMENTO TEATRAL

Por Jabs Barros

Embalo Forrogueira

Por Jabs Barros