Portal Escritores

Do Arquiteto Ao Arquiteto

Niemeyer

 

“E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez,

e vos levarei para mim mesmo, para que onde

eu estiver estejais vós também.”

João 14:3

 

Eu te chamei Niemeyer

Porque “não é a linha reta, dura, inflexível

Criada pelo homem”

Que te atrai

Mas as linhas sinuosas

“Dos rios, das nuvens no céu, da mulher”

As linhas preferidas do meu Pai

As linhas que desafiam o impossível.

 

Eu te chamei Niemeyer

Porque também acredito

Que a imaginação não é inimiga da razão

Por isso é bendito

O que faz com coração.

 

Vem Niemeyer

Que o céu veste-se de um sorriso

E te espera com prancheta, compasso, grafite

Para reorganizar o paraíso

E reinventar o que lá já existe.

 

Vem Niemeyer

Cheio de desconfiança

Meu menino de 104 anos...

Que eu também sou arquiteto.

Vem para mim, minha criança

Pois estavas sempre no concreto

Dos meus etenos planos.

 

Vem Niemeyer

Que eu quero dar a eternidade

Um ar de modernidade.

 

*Visite a nossa fan page no facebook: Click aqui!

 

Comentários

ronperlim
ronperlim 11 de Dezembro de 2012 às 22:40

A homenagem de Emanuel nos faz retomar os traços biográficos desse grande brasileiro. Parabéns, pois, a energia cerebral para este poema valeu a pena.

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Emanuel Galvão
Escrito por:
Emanuel Galvão
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 07 de Dezembro de 2012

Atualizado em 02 de Julho de 2014

Já foi visto 944 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


941
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
Por quê?

Por Cleide Vanderley

Barro Nosso de Cada Dia

Por Adriana Moraes

Leia Na Minha Ausência

Por Claudenor de Albuquerque

Escambo

Por Emanuel Galvão

Concebendo Poesias

Por Claudenor de Albuquerque

Textos do Mesmo Autor
Molhada de Suor e de Desejo

Por Emanuel Galvão

Em Pessoa

Por Emanuel Galvão

Antes Que Meu Coração Pare

Por Emanuel Galvão

Mulher (O Querer)

Por Emanuel Galvão