Portal Escritores

Ainda há tempo

Já é tarde...

Invadiste meu peito

feito o cego punhal.

Quebraste meus olhos

feito o choque no trânsito,

Dilaceraste esse órgão

feito doença terminal.

Queimaste meu cérebro

feito chama infinita,

Iluminaste meu breu

feito o sol matinal.

 

Já é tarde...

Habitas esse espaço

feito imigrante leal.

Tomaste minha mente

feito desejo carnal.

Desviaste meus atos

feito um golpe mortal.

Mostraste a paixão

Feito um gesto banal.

Partiste sem adeus

deixando-me nesta tristeza total.

 

                 

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Majal-San
Escrito por:
Majal-San
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 21 de Janeiro de 2014

Já foi visto 569 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Poesias


567
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
TODO MENINO É UM REI

Por Erisvaldo Vieira

Ainda que ...

Por Djigaoba

E C O S

Por m.elena.costa

Busca minuciosa

Por Majal-San

SE UM DIA...

Por Erisvaldo Vieira

Textos do Mesmo Autor
Natural

Por Majal-San

Interrogação

Por Majal-San

Acróstico perdido

Por Majal-San

Forca sem força

Por Majal-San