Portal Escritores

O tesouro de Gilberto

Gilberto, quando jovem foi passar uns dias na cidade do Ceará, chamada Aracoiaba, nome de origem tupi-guarani que significa “lugar do canto das aves” e quando já estava próximo o dia de retornar para sua cidade de origem conheceu uma morena que fez o seu coração palpitar e sua alma tornar-se aracoiabense. O tempo passou, e juntos fizeram a composição de uma belíssima canção de vida, intitulada família. 

Gilberto acordava muito cedo, sua primeira preocupação era a de abrir as janelas de sua casa para o sol entrar, cuidava de seus passarinhos e em seguida se dirigia para o Café de Dona Marcelina onde saboreava um delicioso cuscuz.

Como todo o jovem, soube aproveitar as coisas boas da vida, dançou, paquerou muito e foi feliz á sua maneira. Mas sempre trilhou pelo caminho da honestidade, da autenticidade e isto o fez um ser humano respeitado.

Gilberto, ou Gilbertão como era chamado, tinha um olhar firme e sincero, palavra honrada, vida simples, coração generoso, muitas lutas, derrotas e muitas vitórias.

 Marceneiro de profissão, guerreiro e batalhador que era requisitado por todos, devido ao seu talento e da capacidade tinha de tornar seus produtos em arte feita em madeira, como as belas peças de madeira que desfilaram em carros alegóricos por ocasião das comemorações cívicas do Grupo Escolar, como foi a réplica do cavalo de D. Pedro I todo em madeira no tamanho original.

Gilberto sempre dizia; “você pode não ter nada nesta vida, e ao mesmo tempo pode ser rico, se souber viver com sabedoria e com fé, pois isto leva ao homem a alcançar grandes vitorias”.

Como muitos pais de famílias que seguem esta profissão, principalmente, há cinqüenta anos e numa cidade pequena, passou também momentos difíceis, mas sempre com determinação, perseverança, sem reclamação, com um assovio nos lábios e isto o conduziu á maturidade, esperança e superação.

Passos firmes para labuta, passos leves para a dança.

Era um amante, um apaixonado pela música. Quando o dia terminava, lá estava Gilberto, sentado ao lado de um rádio e de olhos fechados deleitava-se com a beleza e encantamento de um bom bolero e das músicas românticas de Nelson Gonçalves, que levava ao descanso do corpo e a energização da alma para um novo dia de caminhada.

Grande homem, grande pai, grandes exemplos, grandes conselhos!

Construiu uma vida digna e honesta para sua família, apesar das muitas dificuldades financeiras pelas quais passou, tendo que trabalhar até altas horas da noite, em troca das mensalidades do colégio de seus filhos, para que pudessem fazer as provas finais. Todo esse sacrifício, era para que nenhum dos filhos aprendessem ou viessem a gostar de marcenaria, deixando para eles o tesouro mais precioso: educação.

Gilberto Fernandes, homem forte, que nunca teve medo do trabalho, enfrentava as dificuldades com altivez, deixou para seus filhos exemplos de dignidade, respeito responsabilidade, honestidade e dignidade.

Das muitas dificuldades que enfrentou, a única que não conseguiu vencer e nem suportar foi a dor física causada por uma doença cruel: o câncer

Um dos maiores segredo desta vida é passar por ela e deixar sua marca registrada e ser um exemplo a ser seguido. Isto faz a diferença, para que os seus descentes se tornem cidadãos dignos, respeitados e felizes.

Ah! Ia esquecendo, este homem é o meu saudoso pai.

***

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
IRIS SAMPAIO
Escrito por:
IRIS SAMPAIO
Escritora

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 13 de Setembro de 2014

Já foi visto 606 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Contos


568
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
CAPÍTULO 3: Escolhas

Por Joao Padilha

Mulher (O Querer)

Por Emanuel Galvão

Morto em vida

Por IORGAMA PORCELY

MÃOS NOSSAS DE CADA DIA

Por m.elena.costa

Gratidão

Por Antonio Batista