Das coisas boas

Cleide Vanderley Cleide Vanderley 22 de Agosto de 2015
22 de Agosto de 2015

 

 

Havia uma fresta no telhado, por ela passava um raio de sol, cujo os minúsculos grãos de poeira bailavam dentro dele.

Ao amanhecer , por volta das seis horas da manhã, minha mãe abria a porta da cozinha, e eu respirava o cheiro bom do mamoeiro em florescência.

As pedras eram quartzos cor de rosa ( eu devia ter uns sete anos de idade), quando voltava da escola costumava cortar o caminho por dentro do horto para recolhê-las; ao chegar em casa pegava o martelo escondido de meu pai e quebrava-as esperando que emanasse delas uma fumaça branca e mágica.

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao user original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Denuncie conteúdo abusivo
Cleide Vanderley ESCRITO POR Cleide Vanderley Escritora
Maceió - AL

Membro desde Maio de 2012

Comentários