Dissolubilis (Dissolúvel)

Luca Maxine Luca Maxine 04 de Novembro de 2016
04 de Novembro de 2016

Quando a vida arde como fogo,

Pode confundir-se a ânsia de viver e a vontade de nunca querer morrer,

Então, às vezes, algumas vezes, queremos ficar sozinhos de nós mesmos,

Evitarmos todos os espelhos e reflexos,

Imaginar todas as coisas que desejamos, mas que estão seladas no abismo de nossas almas,

Descobrimos que não somos nós,

Que estamos lutando a favor de muitos e de tantas coisas,

E todos os dias perdendo a guerra em nós mesmos,

Colecionamos vitórias incomensuráveis,

Ostentamos uma grande galeria de troféus de ouro, todos consumidos pela ferrugem.

Entendemos então, que somos movidos por motivos,

Mas, sempre nos perguntamos quais são os motivos que nos movem!

Buscamos o caminho da verdade, estreito, apertado, difícil e amargo.

Buscamos a verdade, sempre absoluta!

Algumas vezes apenas relativa, quando pensamos com a carne pensa,

Nos sentimos decompostos em nós mesmos,

Sentimos nossas cabeças vazando nossos pensamentos,

Sentimos nossos ossos quebrarem como folhas secas no outono.

Nossa pele parece derreter,

Tocamos, o que não podemos sentir.

Suplicamos a redenção,

Suplicamos que a hemorragia de nossos cortes interiores profundos e profanos por fim pare, que nosso sangue precioso no formato de gotas de água salgada não mais seja derramado no chão.

Que nossas feridas abertas cicatrizem,

Que nossa alma inchada, inflada pelo rigor mortis do conformismo,

Encontre cura.

Denuncie conteúdo abusivo
Luca Maxine ESCRITO POR Luca Maxine Escritor
São Paulo - SP

Membro desde Novembro de 2016

Comentários