Portal Escritores

A INTERNET

 

Com a tecnologia

E a globalização

Vem também a internet

Sendo uma evolução

Mas é bom saber usá-la

Tendo bastante atenção.

 

Para termos proteção

No campo ou na cidade

É preciso investigar

Qual é a veracidade

Das informações na rede

Porque há diversidade.

 

Falo porque, na verdade

O bom uso é necessário

Facilita muita coisa

Mas pode ser o contrário

Prejudicando a vida

Quando o uso é arbitrário.

 

Eu faço esse comentário

Porque tenho isso comigo

Há muita facilidade

Contudo, há o perigo

Tudo no mesmo lugar

Vivendo no mesmo abrigo.

 

Escute o que eu digo

Pois há discriminação

Dentro da própria internet

Formando a opressão

Que é chamada de bullying

Não queira essa opção.

 

Também há perseguição

A classes, povos, nações

Famílias, comunidades

E as novas gerações

Não sejam reprodutoras

Dessas discriminações.

 

Em todas as regiões

Há preconceito, racismo

Assédio sexual

Homofobia, machismo

Quem é do bem não pratica

Esse cruel terrorismo.

 

Incentivo ao consumismo

E ao endividamento

Informação distorcida

Sem ter qualquer fundamento

Primeiro cheque a fonte

Para o compartilhamento.

 

Todo esse detalhamento

É para orientar

Qual é a forma correta

Para quem costuma usar

O que há na internet

Sendo internauta exemplar.

 

(Cristovão Augusto)

Comentários

Deixe seu comentário

Para enviar um comentário você precisa estar logado: login
Cristovão Augusto
Escrito por:
Cristovão Augusto
Escritor

Visão Geral do texto

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Publicado em 08 de Março de 2018

Já foi visto 141 vezes

Favorito de 0 leitor

Categoria Cordel


141
Leram
0
Vão ler

Tags

Textos Relacionados
COMPARSA

Por Cristovão Augusto

CHICO VELHO (Um grito de socorro)

Por Cristovão Augusto

Flor do Sertão

Por Monique Munielle

A VERGONHA DO BIG BROTHER BRASIL

Por Tony Gabriel Oliveira

O Circo Brasil

Por Claudenor de Albuquerque

Textos do Mesmo Autor
CHICO VELHO (Um grito de socorro)

Por Cristovão Augusto

MULHER

Por Cristovão Augusto

ALAGOAS 200 ANOS (cordel)

Por Cristovão Augusto