Tema Acessibilidade

Nada que possuo

• Atualizado

Fecho a porta
e deito-me no chão frio do meu quarto.
Olho para o teto,
penso em ver o céu,
mas a única coisa real aqui é o teto.
Ainda que a vontade do desejo seja real,
não é a vontade ou o desejo que o torna real,
e mesmo se eu possuísse o céu no qual desejo,
eu olharia para baixo,
e desejaria deitar no chão frio do meu quarto para olhar o céu que eu desejaria.

Amarro-me à cadeira,
ponho em meu dedos a caneta,
e com a caligrafia rápida desses versos,
escrevo nobremente na esperança que,
ao término, eu olhe sobressaltado com um sentimento de que o que fiz, preste.
E é assim na quarta, na quinta e ao cair do dia;
o que fim não foi o melhor,
ainda não presta.

Deito tudo de lado e esqueço por um tempo que,
para escrever esses versos de caligrafia rápida,
foram necessárias algumas xícaras de angústia
com o café sentado à mesa.

então como não sei de nada,
deito-me em qualquer lugar da casa,
olho para onde olharem meus olhos,
e penso na relva das vontades humanas.

Autor: Charlles Oliveira

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados ao autor. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
0
±100 visualizações •
Atualizado em
Denuncie conteúdo abusivo
Charlles Oliveira ESCRITO POR Charlles Oliveira Escritor
Arapiraca - AL

Membro desde Outubro de 2021

Comentários